EUA

Duas Américas lutam pela vice-presidência

Duas Américas lutam pela vice-presidência

Seja qual for o eleito nas presidenciais norte-americanas, no próximo dia 3, o vencedor terá sempre a particularidade de ser o mais velho político a ascender à chefia de Estado na história do país. Donald Trump, atual presidente, republicano, tem 74 anos. Joe Biden, democrata, pode vencer as eleições com 77 e tomar posse com 78, já que celebra o aniversário a 20 de novembro e, ganhando, é empossado em janeiro. Quer isto dizer que, em termos estritamente etários, os vice-presidentes nunca tiveram tanta relevância como agora. E a sorte - ou azar - calhou a Mike Pence, que está a exercer o cargo, e à senadora Kamala Harris.

E, neste caso, previsivelmente, os opostos não se atraem. Ela tem 56 anos e é a primeira mulher negra - de ascendência jamaicana e indiana - e filha de pais imigrantes a candidatar-se à vice-presidência. Liberal e progressista.

Algo que, definitivamente, Pence não é. Aos 61 anos, é um conservador "amado" por todos os evangélicos dos Estados Unidos, setor com fortíssimo poder político. Apesar de a sua ação na Casa Branca ser comparada à de um fantasma na sombra do presidente, os analistas acreditam que a influência na Administração, e mesmo no Partido Republicano, é bem mais substancial do que a postura aparenta. Para isso, rodeou-se de um "comité" de republicanos em quem confia e é com eles que trabalha.

Voltando ao tema do pioneirismo, Kamala foi a primeira mulher de cor a chegar a procuradora-geral do estado da Califórnia, o que ela considera ser uma mais-valia para captar votos tanto nas alas conservadoras como nas liberais. Por outro lado, a sua habilidade discursiva foi particularmente notada no contexto das tensões raciais, elevando a voz por entre os protestos contra os assassinatos de afro-americanos às mãos da Polícia e face à recusa de Trump em condenar os grupos supremacistas brancos.

Algo paradoxalmente, os registos da Polícia californiana indicam que, durante o seu "reinado" como procuradora, o número de casos de agentes processados por homicídio de civis foi quase nulo.

Mesmo como governador do estado do Indiana, Mike já evitava o foco público. Agora, foge das constantes polémicas do presidente como um migrante escapa dos centros de detenção líbios. Ainda no capítulo da penumbra, há quem assinale que o cidadão de Columbus transformou-se num dos mais notórios "supremacistas cristãos", extremamente hábil em camuflar as suas intenções religiosas de impor uma "moralidade bíblica" no país.

No Senado, Harris apoiou o projeto de lei do senador Bernie Sanders que preconizava um "sistema de saúde para todos" e aproximou-se do grupo mais à esquerda do Partido Democrata. Trump e parceiros não demoraram a acusá-la de querer introduzir o comunismo nos Estados Unidos.

Pence é um alvo recorrente dos liberais, especialmente pelas suas posições antiaborto, matéria na qual chegou a apresentar uma proposta que proibia as mulheres de abortar mesmo se fosse detetada uma doença potencialmente letal ou uma deformidade no feto.

Voto antecipado

Pelo menos 58,6 milhões de pessoas já votaram para as presidenciais norte-americanas de 3 de novembro, quer presencialmente, quer pelo correio. Trata-se de um recorde, motivado pela pandemia.

Voto para Supremo

A nova juíza do Supremo Tribunal dos EUA tinha a sua confirmação no Senado marcada para as 20 horas locais de ontem, meia noite em Portugal. Previa-se que agregasse 52 votos favoráveis em 53 senadores republicanos, dada a rejeição da senadora republicana Susan Collins, que se junta aos 47 democratas. Certo ´é que o vice-presidente, que preside ao Senado, não estará na votação, dado cinco membros da sua esquipa terem testado positivo para a covid.

Outras Notícias