Barcelona

Centenas de pessoas protestam contra a prisão de Carles Puigdemont em Itália

Centenas de pessoas protestam contra a prisão de Carles Puigdemont em Itália

Centenas de pessoas reuniram-se próximo do consulado italiano em Barcelona, esta sexta-feira, guardado por um forte dispositivo da polícia, em protesto contra a prisão na Sardenha do ex-presidente do governo catalão Carles Puigdemont.

A polícia catalã [Mossos d'Esquadra] implantou um extenso dispositivo para proteger o prédio do consulado italiano, impedindo os manifestantes de se aproximar do edifício. Assim, os manifestantes acabaram por se deslocar algumas dezenas de metros em direção à avenida Diagonal, cortando o tráfego.

Entre bandeiras pró-independência, os manifestantes gritam palavras de ordem em apoio a Carles Puigdemont e para exigir que as autoridades italianas libertassem o ex-presidente, que nas próximas horas deverá ir à disposição da Justiça italiana.

Esta sexta-feira, também várias dezenas de independentistas da Sardenha reuniram-se em frente ao Tribunal de Sassari, na ilha italiana, para protestar contra a prisão de Carles Puigdemont e para pedir ao Parlamento Europeu que restaure a imunidade aos eurodeputados catalães.

O porta-voz do grupo Independência da República da Sardenha (IRS), Simone Maulu, explicou à EFE que decidiram se concentrar no tribunal, onde será realizada nas próximas horas a audiência para validar a detenção, em solidariedade aos independentistas catalães, com quem "sempre tiveram contactos" e até "participaram como voluntários durante o referendo em 2017.

Em 25 de março de 2018, a prisão de Puigdemont na Alemanha deu origem a uma grande manifestação na representação alemã em Barcelona - um edifício que esta sexta-feira apareceu protegido por um grande dispositivo policial -, o que acabou por gerar incidentes e acusações contra os Mossos d'Esquadra.

PUB

Carles Puigdemont foi detido na quinta-feira na Sardenha, sul de Itália, na sequência de um mandado de captura europeu emitido pelo Supremo Tribunal espanhol pelo crime de sedição que nunca deixou de estar vigente, segundo fontes ouvidas pela agência de notícias EFE.

A tentativa de secessão em outubro de 2017 da Catalunha, uma comunidade autónoma situada no nordeste do país, com uma população de 7,8 milhões de habitantes, marcou uma das piores crises políticas vividas em Espanha desde o fim da ditadura franquista em 1975.

Apesar de proibida pelos tribunais, o governo regional - que na altura era presidido por Carles Puigdemont -- realizou, a 1 de outubro, um referendo sobre a autodeterminação do território, que foi marcada pela violência policial e seguida, algumas semanas mais tarde, por uma declaração de independência.

O Governo espanhol, que na altura era liderado pelo Partido Popular (direita), colocou a região sob a tutela direta de Madrid e prendeu os principais líderes independentistas que não tinham fugido para o estrangeiro.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG