Covid-19

UE e OMS defendem Tratado sobre Pandemias como "legado"

UE e OMS defendem Tratado sobre Pandemias como "legado"

O presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, e o diretor-geral da OMS, Tedros Ghebreyesus, defenderam que um Tratado Internacional sobre Pandemias é um "legado" que os líderes atuais têm o dever de deixar após a experiência da covid-19.

Numa conferência de imprensa conjunta e virtual desde Bruxelas e Genebra, Charles Michel, que lançou no ano passado a ideia deste tratado internacional, e Ghebreyesus fizeram a defesa deste pacto global, apontando-o como um "legado" que os líderes têm o dever de deixar às próximas gerações.

Isto porque, afirmaram, "a próxima pandemia não é uma questão de 'se', mas 'quando'" e há que aprender com as lições da covid-19, que "expôs fraquezas e divisões", como apontou o presidente do Conselho Europeu.

A conferência de imprensa foi antecedida pela publicação de um texto de opinião, em órgãos de comunicação social de todo o mundo, a defender a proposta de um tratado internacional sobre pandemias e de "uma arquitetura sanitária internacional mais robusta", subscrito por Charles Michel, Ghebreyesus e 25 outros líderes mundiais, entre os quais o primeiro-ministro António Costa.

"O tempo de agir é agora. O mundo não pode esperar pelo fim desta pandemia para começar a preparar-se para a próxima. Não podemos permitir que as recordações desta pandemia se esvaneçam e voltemos à vida como antes. Não podemos fazer as coisas como fazíamos antes e esperar um resultado diferente", afirmou o diretor-geral da OMS, que pediu uma "ação robusta".

De acordo com Ghebreyesus, o tratado internacional poderia ser baseado na constituição da OMS, incluindo nos princípios de saúde para todos e não discriminação, ideia partilhada por Charles Michel.

PUB

Segundo o presidente do Conselho Europeu, a ideia fundamental é garantir, através do tratado, "uma abordagem global, para melhor prever, prevenir e responder a pandemias", designadamente através do reforço das capacidades globais e assegurando um acesso justo e universal a vacinas, medicamentos e testes.

"O que desejamos é que este debate que se seguirá sobre um tratado internacional seja um projeto comum. E esperamos que o conjunto dos países se envolvam nas discussões", apontou Charles Michel, que assegurou que, pelos contactos bilaterais que tem mantido, está seguro de que muitos mais países além daqueles que já subscreveram o texto associar-se-ão à iniciativa.

"É nossa responsabilidade como líderes assegurar que a preparação para a pandemia e os sistemas de saúde estão prontos para o século XXI. Deixemos um legado do qual todos possamos orgulhar-nos", disse.

Charles Michel avançou originalmente em novembro de 2020 com a ideia de um Tratado Internacional sobre Pandemias, apoiada, já este ano, pelo G7 bem como pelos 27 Estados-membros da UE, num Conselho Europeu no final de fevereiro.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG