Conflito

Chefe da NATO diz que Putin está a tentar usar o inverno como "arma de guerra"

Chefe da NATO diz que Putin está a tentar usar o inverno como "arma de guerra"

O secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg, afirmou esta segunda-feira que o presidente da Rússia, Vladimir Putin, "está a tentar utilizar o inverno como arma de guerra" contra a Ucrânia, após os ataques das últimas semanas contra infraestruturas energéticas.

"O que assistimos é que o Presidente Putin está a tentar destruir o sistema elétrico, as infraestruturas de gás e os serviços básicos para a população ucraniana e, ao fazer isso quando entramos no inverno, demonstra que o Presidente Putin está a tentar utilizar o inverno como uma arma de guerra contra a Ucrânia e isso é horrível", declarou.

Stoltenberg falava numa conferência de imprensa conjunta com o Presidente da Roménia, Klaus Iohannis, com quem se reuniu em Bucareste na véspera de um encontro na capital romena dos ministros dos Negócios Estrangeiros da NATO.

PUB

O secretário-geral da aliança militar ocidental disse que "se deve estar preparado para mais ataques" contra a Ucrânia.

"Esse é o motivo pelo qual os aliados da NATO aumentaram o seu apoio à Ucrânia, incluindo com sistemas adicionais de defesa aérea. Os aliados estão a proporcionar sistemas avançados de defesa aérea e diferentes sistemas que podem abordar as ameaças que representam diferentes tipos de drones, mas também mísseis de cruzeiro e balísticos", comentou.

O chefe político da NATO também assinalou ser essencial que "Putin não ganhe" esta guerra e precisou: "Mostraria aos líderes autoritários pelo mundo que podem conseguir os seus objetivos utilizando a força militar e tornaria o mundo num lugar mais perigoso para nós, e pelo nosso próprio interesse de segurança devemos apoiar a Ucrânia".

Previamente, e também em conferência de imprensa em Bucareste, a embaixadora dos Estados Unidos junto da NATO, Julianne Smith, esclareceu que será o Presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, quem deve decidir o momento de negociar com a Rússia um fim do conflito, e desmentiu que lhe esteja a ser imposto um "prazo concreto".

"De facto, deixaremos a questão das negociações nas mãos do Presidente Zelensky", disse Smith na sua intervenção em Bucareste por videoconferência.

A representante dos EUA sustentou que será Zelensky a determinar "as condições" e "quando" estará disposto a sentar-se na mesa das negociações.

"A nossa posição nos Estados Unidos, e julgo que em toda a Aliança, é assegurar que poremos o Presidente Zelensky e a Ucrânia na posição mais forte possível para quando chegarem as negociações, pois não sabemos quando estará a Rússia disposta a sentar-se à mesa e levar a sério a negociação", argumentou.

"Até ao momento não vimos qualquer indício disso", assegurou.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG