O Jogo ao Vivo

China

China adverte contra eventual ingerência externa em Hong Kong

China adverte contra eventual ingerência externa em Hong Kong

A China advertiu, esta segunda-feira, contra a eventual ingerência externa no âmbito dos protestos em Hong Kong, sublinhando que os assuntos relativos à Região Administrativa Especial chinesa caem na esfera da sua soberania.

"Hong Kong é China", pelo que os assuntos respeitantes a esse território "são de soberania chinesa", afirmou a porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros da China, Hua Chunying, em conferência de imprensa.

Por isso, "opomo-nos à interferência externa, por parte de qualquer país, nos assuntos internos da China", frisou, aludindo às reações de várias nações aos protestos na antiga colónia britânica.

O Governo chinês recusa "formalmente" qualquer tipo de apoio a "atividades ilegais como o movimento 'Occupy Central'", frisou.

O movimento de desobediência civil criado em janeiro de 2013, cujo objetivo é paralisar a atividade no distrito de Central, o coração financeiro de Hong Kong, caso os governos de Hong Kong e de Pequim não cheguem a um acordo com vista à implementação do sufrágio universal pleno, sem restrições, nas próximas eleições para o cargo de chefe do executivo, em 2017.

Hua Chunying qualificou de "assembleia ilegal" os protestos de Hong Kong nos últimos dias, apontando que "debilitam a ordem social e o Estado de Direito" no território.

Os protestos em Hong Kong surgem depois de Pequim ter anunciado, a 31 de agosto, que os aspirantes ao cargo de chefe do Governo vão precisar de reunir o apoio de mais de metade dos membros de um comité de nomeação para poderem concorrer à próxima eleição e que apenas dois ou três serão selecionados.

Ou seja, a população de Hong Kong exercerá o seu direito de voto, mas só depois daquilo que os democratas designam de "triagem".

A China tinha prometido à população de Hong Kong, cujo chefe do Governo é escolhido por um colégio eleitoral composto atualmente por cerca de 1200 pessoas, que seria capaz de escolher o seu líder em 2017.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG