Pandemia

China confina 1,7 milhões de pessoas para conter novos surtos de covid-19

China confina 1,7 milhões de pessoas para conter novos surtos de covid-19

A China colocou 1,7 milhões de pessoas sob confinamento na província de Anhui, no leste do país, onde cerca de 300 novos casos de covid-19 foram diagnosticados nas últimas 24 horas.

O país asiático mantém uma política de tolerância zero à covid-19, que inclui o bloqueio de cidades inteiras, testes em massa e o isolamento de todos os casos positivos e contactos diretos.

O surto detetado em Anhui ocorre numa altura em que a economia chinesa está a recuperar lentamente de um bloqueio de dois meses em Xangai, a "capital" económica do país.

PUB

Duas cidades daquela província, Sixian e Lingbi, anunciaram bloqueios que afetam mais de 1,7 milhões de pessoas. Os residentes só podem sair de casa para fazer o teste PCR.

A cadeia televisiva estatal CCTV transmitiu imagens de ruas vazias em Sixian, no fim de semana, com os moradores na fila para fazer o teste ao coronavírus SARS Cov-2.

O Ministério da Saúde registou 287 novos casos em Anhui, nas últimas 24 horas, elevando o total para mais de mil nos últimos dias na província.

O governador da província, Wang Qingxian, instou as autoridades a "implementar testes rápidos" e a colocar em quarentena e relatar casos o mais rápido possível.

A província vizinha de Jiangsu também registou 56 novos casos, em quatro cidades, nas últimas 24 horas.

O número de casos permanece muito baixo na China em comparação com a grande maioria dos outros países. Mas as autoridades pretendem limitar ao máximo a circulação do vírus devido aos recursos médicos limitados em certos lugares e à taxa relativamente baixa de vacinação entre os idosos. No entanto, esta estratégia tem altos custos económicos.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG