Jornalismo

China denuncia críticas irresponsáveis a fecho de jornal online em Hong Kong

China denuncia críticas irresponsáveis a fecho de jornal online em Hong Kong

A China criticou esta quinta-feira as reações ocidentais ao encerramento de um órgão de comunicação social independente em Hong Kong, considerando-as irresponsáveis e reafirmando que ninguém "tem o direito de interferir nos assuntos" daquele território chinês.

"Algumas forças estrangeiras, sob o pretexto de defenderem a liberdade de imprensa, envolveram-se numa linguagem irresponsável", disse em Pequim o porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros, Zhao Lijian, citado pela agência de notícias France-Presse.

Zhao reagia a críticas da União Europeia, do Canadá e dos Estados Unidos da América ao encerramento do portal de notícias "Stand News", frequentemente ligado ao movimento pró-democracia de Hong Kong, depois de os seus sete jornalistas terem sido detidos.

O porta-voz da diplomacia chinesa defendeu o encerramento do "Stand News", dizendo que "a liberdade de expressão não pode ser usada como abrigo para atividades criminosas".

Zhao rejeitou as críticas estrangeiras, dizendo que nenhum país "tem o direito de interferir nos assuntos de Hong Kong".

Uma das críticas mais duras foi feita pelo secretário de Estado norte-americano, Antony Blinken, que acusou a China de prejudicar a credibilidade de Hong Kong.

PUB

"Ao silenciar os 'media' independentes, a China e as autoridades locais minam a credibilidade e viabilidade de Hong Kong", disse Blinken na quarta-feira, em comunicado. "As autoridades que têm confiança em si próprias e não têm medo da verdade acolhem uma imprensa livre", acrescentou o chefe da diplomacia dos Estados Unidos.

Duas das sete pessoas detidas na quarta-feira, na operação policial contra o site de notícias, foram acusadas hoje de sedição, anunciou a polícia local.

A Associação de Jornalistas de Hong Kong afirmou, na quarta-feira, estar profundamente preocupada com as detenções, notando que, este ano, a polícia deteve vários responsáveis de meios de comunicação social.

Em comunicado, a associação pediu ao Governo de Hong Kong para proteger a liberdade de imprensa de acordo com a Lei Básica, a miniconstituição do território.

Pouco depois das detenções, o "Stand News" anunciou o encerramento imediato da sua atividade e o despedimento de todos os seus funcionários.

O "Stand News", considerado popular entre a oposição local, é a segunda empresa de comunicação social de Hong Kong a ser visada pelas autoridades.

Em junho, o jornal "Apple Daily" encerrou a sua atividade, depois de os bens terem sido congelados e os executivos detidos, ao abrigo da lei de segurança nacional imposta por Pequim em julho de 2020.

A antiga colónia britânica de Hong Kong foi integrada na República Popular da China em 1997, com o estatuto de Região Administrativa Especial, que lhe garantia um elevado grau de autonomia, semelhante ao que foi atribuído, dois anos depois, ao vizinho território de Macau.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG