China

China quer pedido de desculpas dos EUA por causa de ativista Chen Guangcheng

China quer pedido de desculpas dos EUA por causa de ativista Chen Guangcheng

A China quer um pedido de desculpa dos Estados Unidos por ter acolhido na sua Embaixada em Pequim o advogado dissidente cego Chen Guangcheng, disse hoje um porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros chinês.

"Chen Guangcheng, um cidadão chinês, foi levado pela parte norte-americana para a Embaixada dos Estados Unidos em Pequim por vias anormais e a parte chinesa está profundamente desgostosa com essa atitude", disse o porta-voz, Liu Weimin, citado pela agência noticiosa oficial chinesa.

O porta-voz qualificou a referida "atitude" como "uma interferência nos assuntos internos da China" e segundo a mesma fonte, "pediu que os Estados Unidos investiguem completamente o sucedido, responsabilizem as pessoas envolvidas e assegurem que não volte a acontecer um caso destes".

"O que os Estados Unidos fizeram interferiu nos assuntos internacionais da China e a parte chinesa nunca aceitará isso", disse o porta-voz.

"A embaixada dos Estados Unidos em Pequim tem a obrigação de observar as relevantes leis internacionais e as leis chinesas e não deve fazer nada que não esteja relacionada com a sua missão", acrescentou.

Chen Guangcheng, 40 anos, é um dos mais conhecidos dissidentes chineses.

No dia 23 de abril, Chen conseguiu fugir da casa onde se encontrava ilegalmente detido há mais de um ano, na província de Shandong, nordeste da China, e no final da semana passada, amigos do dissidente anunciaram que ele estava "sob proteção" norte-americana em Pequim.

PUB

Os governos chinês e norte-americano só confirmaram a situação hoje, horas depois da chegada a Pequim da secretaria de Estado norte-americana, Hillary Clinton.

Chen Guangcheng saiu da embaixada "de sua livre vontade depois de aí ter estado seis dias", disse a agência noticiosa oficial chinesa.

O dissidente "chegou a uma clínica em Pequim onde irá receber tratamento médico e reunir-se à sua família", disse um funcionário superior norte-americano citado pela agência Associated Press.

Hillary Clinton encontra-se em Pequim para participar na 4ª ronda do Diálogo Estratégico e Económico China-Estados Unidos, instituído em 2009, e que contará também com a presença do secretário do Tesouro, Timothy Geithner, e, do lado chinês, Wang Qishan (vice-primeiro-ministro) e Dai Bingguo (conselheiro de Estado responsável pela politica externa).

A reunião, de dois dias, começa na quinta-feira de manhã (hora local).

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG