Mundo

CIA espiou representações da UE nos EUA e nas Nações Unidas

CIA espiou representações da UE nos EUA e nas Nações Unidas

A CIA espiou a União Europeia, revela a edição de domingo da revista alemã "Der Spiegel", que cita documentos do ex-colaborador da Agência Central de Inteligência norte-americana Edward Snowden, acusado pelos EUA de espionagem.

De acordo com a revista, um documento da CIA de setembro de 2010, classificado como "extremamente confidencial", descreve como a secreta norte-americana espiava a representação diplomática da União Europeia (UE) em Washington: o método usado implicava não só o uso de microfones instalados no edifício, mas também o recurso à infiltração na rede informática, que lhe permitia ler correios eletrónicos e documentação interna.

A representação da UE nas Nações Unidas também foi espiada da mesma maneira, segundo os documentos da CIA, nos quais os europeus são designados explicitamente como "alvos a atacar".

A revista adianta que, há mais de cinco anos, peritos em segurança da UE descobriram um sistema de escutas na rede telefónica e de Internet da sede do Conselho da União Europeia, em Bruxelas.

Ao "Der Spiegel", o presidente do Parlamento Europeu, Martin Schulz, disse que, a confirmarem-se os factos relatados, é "um escândalo gigantesco", que "lesaria consideravelmente as relações entre a União Europeia e os Estados Unidos".

Na quarta-feira, a UE pediu aos EUA, "tão rápido quanto possível", respostas às suas questões sobre o programa de vigilância secreto norte-americano Prism, divulgado por Edward Snowden.