Saúde

Cobras ou morcegos? O que está na origem do misterioso vírus vindo da China

Cobras ou morcegos? O que está na origem do misterioso vírus vindo da China

Já morreram 26 pessoas e os infetados ultrapassam as centenas. O coronavírus não conhece fronteiras e faz notícia em todos os continentes. Mas onde começou? Há teses que apontam para as cobras e outras para morcegos. O único consenso é que o "paciente zero" foi ao mercado de Wuhan onde a higiene é um mistério tão grande como o vírus que corre Mundo.

Ao mesmo tempo que o número de casos do misterioso surto viral, que começou na China, se espalha, crescem também as teorias em torno da origem do vírus. Um estudo publicado na quarta-feira dá conta de que na origem do coronavírus estarão as cobras. O "ground zero" da propagação do vírus terá sido o mercado de Wuhan, onde são compradas frutas, especiarias e animais, alguns ainda vivos, sem grandes condições de higiene.

O estudo divulgado pela Universidade de Pequim, e assinado por Wei Ji, dá conta de que o ciclo da contaminação terá começado nos morcegos que infetaram cobras que depois, por via aérea transmitiram o vírus para os humanos.

De acordo com o que defendem os cientistas por trás do estudo, o vírus ficou nas fezes do animal e depois espalhou-se pelo ar no mercado da cidade que, tal como outras duas, está em total isolamento. E a verdade é que o mercado contempla os ingredientes necessários para esta receita explosiva. Os morcegos e as cobras são iguarias populares naquele mercado, o que faz com que estejam próximos e a quantidade de pessoas que diariamente vai ao mercado também é grande. Ou seja, a propagação do vírus seria fácil e rápida.

Cientistas dizem que vírus só contamina mamíferos e aves

A hipótese não é, no entanto, corroborada por toda a comunidade científica. À "Nature", David Robertson, um virologista da Universidade de Glasgow, no Reino Unido, explica que "não há nada que aponte para o facto de as cobras estarem envolvidas". O agente patogénico responsável pelo surto pertence a uma grande família denominada de coronavírus, que engloba vírus responsáveis pela síndroma respiratória aguda grave (SARS) e a síndrome respiratória do oriente.

"Não há nenhuma prova evidente de que as cobras tenham sido infetadas por este coronavírus e que tenham atuado como um "anfitrião" para isso", revela Paulo Brandão, um virologista da Universidade de São Paulo, no Brasil, que está a tentar perceber se o coronavírus pode infetar as cobras. "Não há, até ao momento, qualquer sinal de que o vírus possa atingir outros animais além dos mamíferos ou das aves", justifica.

China prepara hospital para tratar doentes

Dezenas de máquinas escavadoras começaram, esta sexta-feira, a aplanar o terreno para a construção do novo hospital, que deverá ficar pronto em 10 dias, na região metropolitana de Wuhan, epicentro do fenómeno. São também dezenas de camiões e centenas de pessoas que estão a trabalhar para ter a obra completa a 3 de fevereiro.

O hospital especial estará preparado para para acomodar mil camas e reúne recursos médicos para fornecer tratamento isolado e eficiente para pacientes infetados, de acordo com a agência de notícias estatal chinesa Xinhua.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG