Estudo

Colômbia registou mais de 1,2 milhões de venezuelanos no primeiro trimestre

Colômbia registou mais de 1,2 milhões de venezuelanos no primeiro trimestre

Um total de 1.260.594 venezuelanos estavam registados na Colômbia no primeiro trimestre de 2019, um aumento de 85.851 face ao último estudo oficial de dezembro, anunciaram esta quinta-feira as autoridades colombianas.

"Em 31 de março temos o registo de um número que ascende a pouco mais de 1.260.000 irmãos venezuelanos que estão no nosso país", assinalou o diretor da Migração Colômbia, Christian Krüger, ao apresentar o relatório trimestral.

O mesmo responsável acrescentou que 770.975 têm uma residência regular e 489.619 permanecem no país de forma irregular.

No seu anterior estudo, a Migração Colômbia precisou que em 31 de dezembro residiam 1.174.743 venezuelanos, 40% dos quais de forma irregular.

Bogotá é a cidade onde existem mais venezuelanos (278.511), seguidos pelos departamentos fronteiriços de Norte de Santander (176.695) e La Guajira (147.323).

O relatório acrescenta que, 3.294.404 venezuelanos entraram e saíram da Colômbia entre janeiro e março de 2019, principalmente pela Ponte internacional Simón Bolívar, junto a Cúcuta, a capital do departamento de Norte de Santander, e que foi atravessada por 2,1 milhões de pessoas.

Para enfrentar o impacto do fluxo migratório no país, Krüger pediu às autoridades que "continuem a flexibilizar o quadro jurídico colombiano" porque "encerrar as fronteiras não é a solução".

A Venezuela atravessa uma crise política, económica e social, que se tem agravado nos últimos tempos e que forçou três milhões de cidadãos a abandonar o país.

No mais recente ato da profunda crise que grassa na Venezuela, o autoproclamado presidente interino da Venezuela, Juan Guaidó, desencadeou na madrugada da passada terça-feira um ato de força contra o regime do presidente Nicolás Maduro em que envolveu militares e para o qual apelou à adesão popular.

O regime ripostou considerando que estava em curso uma tentativa de golpe de Estado. Não houve progressos na situação, que continua dominada pelo regime.