Raul Castro

Comissão de Direitos Humanos em Cuba dá conta de 12 novas detenções

Comissão de Direitos Humanos em Cuba dá conta de 12 novas detenções

Pelo menos uma dúzia de opositores do Governo cubano foi detida na segunda-feira, segundo informou a Comissão Cubana de Direitos Humanos e Reconciliação Nacional, que contabiliza quase 90 presos políticos na ilha.

Entre os detidos pelo segundo dia consecutivo encontra-se a líder das Damas de Branco, Berta Soler, e alguns membros do grupo, como o antigo preso político Ángel Moya, disse à agência Efe Elizardo Sánchez, porta-voz da Comissão Cubana de Direitos Humanos e Reconciliação Nacional (CCDHRN).

No mesmo dia foi detido Antonio González-Rodiles, que lidera o projeto independente Estado de Sats, juntamente com a sua namorada, a ativista Ayler González, confirmou uma fonte familiar.

Elizardo Sánchez explicou que o seu grupo está a tentar precisar o número de detenções na ilha desde domingo, quando chegou o Presidente dos Estados Unidos da América, Barack Obama.

Nesse dia, cerca de 60 dissidentes foram detidos por várias horas após a marcha de domingo realizada habitualmente pelas Damas de Branco.

Em relação ao número de presos políticos em Cuba, Sánchez disse que atualmente têm registados 77 condenados por razões políticas e um que cumpre uma pena domiciliária.

Segundo Sánchez, as estes somam-se os 11 presos sob "licença extra-penal", uma figura jurídica que não anula as condenações durante a onda de repressão da 'Primavera Negra' de 2003, que levou à prisão de 75 dissidentes na ilha.

O Presidente de Cuba, Raúl Castro, rejeitou que existam presos políticos no país, numa conferência de imprensa em Havana, na segunda-feira, juntamente com Obama.

Castro desafiou um jornalista a apresentar uma lista de presos políticos e garantiu que, se realmente existem, ficariam livres de imediato.

"Dá-me agora a lista dos presos políticos para que possa libertá-los", disse Castro.

Outros Artigos Recomendados