O Jogo ao Vivo

União Europeia

Comissão Europeia quer equipa especial para combater ciberataques

Comissão Europeia quer equipa especial para combater ciberataques

A Comissão Europeia apresentou esta quarta-feira uma proposta para desenvolver uma Unidade Conjunta de Cibersegurança para intensificar a resposta no combate a ciberataques de grande escala.

A proposta foi anunciada pela presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, e procura "reunir recursos e conhecimentos disponíveis para a União Europeia e os seus estados-membros para prevenir, dissuadir e responder eficazmente a ciberataques em massa".

A Unidade Conjunta de Cibersegurança vai dispor de uma plataforma física e virtual, funcionando em modo de cooperação com a Agência da União Europeia para a Cibersegurança, o Centro Europeu de Cibercrime da Europol, o Serviço Europeu de Ação Externa (SEAE), a Agência Europeia de Defesa e especialistas de países da União Europeia para "construir uma plataforma europeia de solidariedade e assistência no combate a ciberataques em grande escala".

Segundo comunicado da Comissão Europeia (CE), a Unidade Conjunta de Cibersegurança vai permitir que estes agentes "compartilhem as melhores práticas, bem como, informações em tempo real sobre as ameaças que possam surgir nas respetivas áreas", "estabelecer e mobilizar equipas de reação rápida de cibersegurança da União Europeia" e "facilitar a adoção de protocolos de assistência mútua entre os participantes".

A CE defende que os ciberataques são uma ameaça à segurança nacional, uma vez que o número de incidentes na Europa aumentou de 432 em 2019 para 756 em 2020.

O Alto Representante da União Europeia para Relações Exteriores e Política de Segurança, Josep Borrell, reconhece que a Unidade Conjunta de Cibersegurança "é um passo muito importante para a Europa proteger os governos, cidadãos e empresas de ameaças cibernéticas globais, pois quando se trata de ataques cibernéticos, todos somos vulneráveis e é por isso que a cooperação em todos os níveis é crucial".

Também Ylva Johansson, Comissária para os Assuntos Internos, considera que "o combate aos ciberataques é um desafio crescente e a Unidade Conjunta de Cibersegurança vai ajudar os polícias dos estados-membros a partilharem conhecimentos, o que permitirá desenvolver a capacidade de aplicação da lei para conter esses ataques".

PUB

Thierry Breton, Comissário da União Europeia para o Mercado Interno, também reagiu a esta proposta, dizendo que as equipas de reação rápida da Unidade Conjunta de Cibersegurança poderia ter ajudado a Irlanda a recuperar da crise, depois de o Ministério da Saúde da Irlanda ter sido alvo de um ciberataque do tipo ransomware, no mês passado, que provocou "cancelamentos em todos os serviços ambulatórios e um cancelamento generalizado de serviços de radiologia".

Também a Polónia registou um extenso ciberataque a altos funcionários do governo, nas últimas semanas, assim como, a Agência Europeia do Medicamento (EMA) foi alvo de um ciberataque, em dezembro do ano passado, onde um número limitado de documentos relacionados com a farmacêutica norte-americana Pfizer e a BioNTech foram acedidos.

A Comissão Europeia planeia que a Unidade Conjunta de Cibersegurança esteja operacional em junho do próximo ano e que seja completamente estabelecida em junho de 2023.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG