"Irresponsável"

Companhia ucraniana critica Irão por ter mantido espaço aéreo aberto

Companhia ucraniana critica Irão por ter mantido espaço aéreo aberto

O vice-presidente da companhia aérea ucraniana cujo avião foi abatido no Irão considerou que o facto de as autoridades iranianas terem mantido o espaço aéreo civil aberto durante as hostilidades com os Estados Unidos foi "absolutamente irresponsável".

"Quando se está em guerra, age-se como quiser. Mas deve-se proteger as pessoas comuns. Se estão a atirar de um lado para outro, deve-se fechar o aeroporto", disse Ihor Sosnovskiy, em conferência de imprensa.

O Irão admitiu, este sábado, que o avião ucraniano que se despenhou na quarta-feira em Teerão, matando todas as 176 pessoas a bordo, foi abatido inadvertidamente por militares iranianos. Até aqui, o Irão tinha negado que um míssil fosse responsável pelo acidente.

Mas os Estados Unidos e o Canadá afirmaram, citando informações dos respetivos serviços de segurança, que o acidente foi causado por um míssil iraniano.

O avião, um Boeing 737 da companhia aérea Ukrainian International Airlines, descolou de Teerão, com destino a Kiev, despenhando-se dois minutos após a descolagem nos arredores da capital iraniana.

O acidente ocorreu horas depois do lançamento de 22 mísseis iranianos contra duas bases da coligação internacional liderada pelos Estados Unidos, em Ain Assad e Erbil, no Iraque, numa operação de vingança pela morte do general iraniano Qassem Soleimani.

O aparelho, com destino a Kiev, transportava 167 passageiros e nove tripulantes de várias nacionalidades, incluindo 82 iranianos, 11 ucranianos, dez suecos, quatro afegãos, três alemães e três britânicos.

O comandante da brigada aeroespacial dos Guardas da Revolução iranianos assumiu "responsabilidade total" pela queda do avião, adiantando que "preferia ter morrido a assistir a tal acidente".

O operador do míssil que abateu o Boeing ucraniano em Teerão abriu fogo sem poder obter a confirmação de uma ordem de tiro devido a uma "interferência" nas telecomunicações, disse o general iraniano.

O soldado confundiu o avião com um "míssil de cruzeiro" e teve "10 segundos" para decidir, declarou o general.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG