Libano

Confrontos entre manifestantes e forças de segurança regressam às ruas de Beirute

Confrontos entre manifestantes e forças de segurança regressam às ruas de Beirute

As forças de segurança libanesas utilizaram, este domingo, balas de borracha e canhões de água para dispersar manifestantes que protestavam contra o governo um dia depois de confrontos de rara violência, que fizeram centenas de feridos em Beirute.

Reforços do exército e da polícia antimotim foram deslocados para o centro da capital libanesa, onde mais uma vez centenas de manifestantes se juntaram no início da avenida que liga a Praça dos Mártires -- epicentro do movimento de contestação lançado em 17 de outubro contra uma classe política considerada corrupta e incompetente - ao Parlamento libanês, em Beirute.

Pela segunda noite consecutiva, os manifestantes atiraram pedras e petardos contra uma barreira da polícia antimotim que bloqueava a avenida.

As forças de segurança responderam com balas de borracha, ativaram um canhão de água e lançaram granadas de gás lacrimogénio contra os manifestantes.

A Cruz Vermelha libanesa deu conta de um primeiro balanço de 70 feridos, dos quais três dezenas foram transportadas para o hospital.

Entre os feridos, constam dois jornalistas, de acordo com a agência de notícias libanesa, ANI. A televisão local Al-Jadeed anunciou, pelo seu lado, que um seu repórter de imagem foi ferido na mão por uma bala de borracha.

Esta onda de protestos levou à demissão no final de outubro do primeiro-ministro, Rafic Hariri, e não tem parado de crescer, com os manifestantes a fustigarem a inércia dos seus dirigentes políticos face ao agravamento da crise económica, responsável por despedimentos massivos, drásticas restrições bancárias e uma forte depreciação da libra libanesa face ao dólar.

Na noite de sábado e madrugada de hoje, no mais violento pico dos protestos até agora, quase 400 pessoas ficaram feridas em resultado de confrontos entre manifestantes e forças de segurança em Beirute, segundo a agência de notícias France-Presse.

Cerca de 377 pessoas foram tratadas no local ou transportadas para hospitais, de acordo com informações da Cruz Vermelha libanesa e da proteção civil compilada pela AFP.

Nas passadas terça e quarta-feira, a capital libanesa tinha já sido cenário de violência durante a noite, com atos de vandalismo contra vários bancos e confrontos entre a polícia e manifestantes.