O Jogo ao Vivo

Bielorrússia

Confrontos entre manifestantes e forças policiais em Minsk

Confrontos entre manifestantes e forças policiais em Minsk

Manifestantes antigovernamentais envolveram-se esta noite em confrontos com a polícia em Minsk, que utilizou granadas sonoras antimotim e canhões de água, referiam media russos e bielorrussos, na sequência de eleições presidenciais sob grande tensão.

A agência noticiosa russa Ria Novosti noticiou estes confrontos, à semelhança dos média bielorrussos da oposição tut.by, Nacha Niva e Nexta, nos arredores do monumento Stella da capital.

Um jornalista da AFP disse ter escutado a explosão de granadas sonoras perto deste local e viu forças policiais, equipadas com escudos, em direção aos manifestantes.

O local dos protestos estava, no entanto, inacessível devido a um forte dispositivo policial.

Segundo os mesmos media, também ocorreram várias detenções.

Vídeos filmados por testemunhas e divulgados pela Nacha Niva e Nexta, nas redes sociais, mostravam grupos de manifestantes a concentrarem-se nas ruas, com as forças policiais e tentarem dispersá-los com recurso à força.

Diversos manifestantes desafiavam os cordões policiais, agitando bandeiras da oposição, junto aos cordões policiais, que impediam o acesso a numerosas ruas do centro de Minsk.

Segundo os media bielorrussos da oposição, também decorreram manifestações em numerosas cidades do país do leste europeu.

A campanha eleitoral para as presidenciais foi assinalada por uma mobilização sem precedentes em apoio de Svetlana Tikhanovskaia, sem experiência política prévia.

Na noite de hoje, Tikhanovskaia considerou ser apoiada pela "maioria" dos cidadãos, ao referir não acreditar nas projeções oficiais que fornecem larga vantagem ao Presidente Alexander Lukashenko.

"Acredito no que veem os meus olhos e vejo que a maioria está connosco", disse Svetlana Tikhanovskaia, ao reagir perante os media à difusão das sondagens realizadas à saída das assembleias de voto e que atribuem 79,7% dos sufrágios ao atual chefe de Estado, no poder há 26 anos.

Segundo a agência noticiosa estatal Belta, a candidata da oposição unificada, Svetlana Tikhanovskaia, terá obtido, segundo as sondagens, 6,8%, resultado muito inferior ao previsto por diversos analistas.

No entanto, a Comissão Eleitoral da Bielorrússia indicou que várias assembleias de voto, que deveriam ter encerrado às 20:00 locais (18:00 em Lisboa), continuavam abertas devido à grande afluência de eleitores.

Lukashenko, 65 anos, procura um sexto mandato consecutivo nas presidenciais de hoje.

"Espero que a votação termine também sem problemas", disse à televisão pública a presidente da Comissão Eleitoral, Lidia Ermochina, acrescentando que deverá anunciar os resultados oficiais finais da votação de hoje às 02:00 locais de segunda-feira (00:00 em Lisboa).

Antes dos confrontos, o Governo bielorrusso tinha destacado várias equipas das forças de segurança para as ruas de Minsk, que bloquearam estradas e ruas de acesso ao centro da capital e posicionavam-se junto de edifícios públicos, enquanto surgiam apelos na televisão estatal para que as pessoas não saiam de casa.

Desde a chegada de Alexander Lukashenko ao poder, em 1994, nenhuma corrente da oposição conseguiu afirmar-se na paisagem política bielorrussa. Muitos dos seus dirigentes foram detidos, à semelhança do que sucedeu neste escrutínio, e em 2019 nenhum opositor foi eleito para o parlamento.

Os resultados das últimas quatro eleições presidenciais não foram reconhecidos como justos pelos observadores da Organização para a Segurança e a Cooperação na Europa (OSCE), que denunciaram fraudes e pressões sobre a oposição.

Pela primeira vez desde 2001, e por não ter recebido um convite oficial a tempo, a OSCE não esteve presente na votação hoje para acompanhar os resultados.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG