EUA

Congressistas ameaçados de morte no arranque do processo de destituição de Trump

Congressistas ameaçados de morte no arranque do processo de destituição de Trump

As forças de segurança norte-americanas estão a investigar ameaças a membros do Congresso dos Estados Unidos relacionadas com o processo de destituição do ex-presidente Donald Trump, que tem início formal esta segunda-feira, nos EUA.

Segundo relatou um responsável da Administração norte-americana à AP, foram registadas ameaças de morte a congressistas e também de ataques no exterior do Capitólio.

As ameaças, a par de preocupação em relação a uma possível repetição da invasão do Capitólio a 06 de janeiro, levaram a força policial que protege a sede do poder legislativo norte-americano e outras forças de segurança federais, a requerer que se mantenham em Washington os cerca de 13.000 elementos da Guarda Nacional que ainda estão na capital, do dispositivo enviado para a investidura de Joe Biden na semana passada.

A fonte citada pela AP adianta que as ameaças registadas são semelhantes a outras interceptadas antes da cerimónia de tomada de posse de Biden, variando no grau de especificidade e credibilidade, e sendo publicadas na internet e em aplicativos de mensagens.

O Senado norte-americano irá ouvir na semana de 8 de fevereiro os argumentos iniciais do processo de destituição de Donald Trump por incitamento dos recentes motins do Capitólio, segundo anunciou na sexta-feira o senador democrata Chuck Schumer.

O acordo entre democratas e republicanos relativo ao processo prevê que os artigos de destituição de Trump sejam enviados para o Senado hoje ao final do dia, e que na terça-feira tenham início os procedimentos iniciais.

Contudo, a apresentação dos argumentos iniciais ficou agendada apenas para 08 de fevereiro, permitindo que até lá o Senado se mantenha focado nas audiências, já em curso, de confirmação dos nomeados pelo novo presidente, o democrata Joe Biden, e na discussão sobre as medidas de emergência relacionadas com a pandemia de Covid-19.

PUB

O período de duas semanas até início dos procedimentos sobre a destituição era também pretendido pelos republicanos, que pretendiam que a equipa jurídica do ex-presidente tivesse mais tempo para preparar a sua defesa.

Trump será o primeiro presidente alvo de um processo de destituição depois do final do seu mandato.

Caso seja condenado, o Senado poderá impedi-lo de voltar a assumir a Presidência.

Para condenar Trump, os democratas precisam do apoio de 17 senadores republicanos, sendo que poucos destes se mostraram favoráveis à destituição, apesar de se terem pronunciado criticamente em relação ao comportamento do ex-presidente antes e durante a invasão do Capitólio por apoiantes do ex-presidente, que consideravam fraudulenta a eleição de Biden.

Hoje, cerca das 19:00 locais (00:00 de terça-feira, em Lisboa), os artigos de destituição do 45º presidente dos Estados Unidos serão lidos perante o Senado. Antes da cerimónia, o Senado votará a nomeação da secretária do Tesouro, Janet Yellen.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG