Ataque

Contabilizados 208 mortos em massacre na Etiópia

Contabilizados 208 mortos em massacre na Etiópia

O número de mortos do massacre de sexta-feira em Gambella, oeste da Etiópia, subiu de 140 para 208. Há 102 mulheres e crianças sequestradas.

Num comunicado lido na televisão estatal, o primeiro-ministro etíope, Hailemariam Desalegn, adiantou que o exército abateu 60 atacantes e garantiu que irá perseguir os restantes, até que todos sejam detidos.

Na noite de sexta-feira, um grupo de homens fortemente armados, ligados à tribo Murle, que habita as regiões de Jongley e do Alto Nilo, no leste do Sudão do Sul, cruzou a fronteira com a Etiópia e atacou 15 aldeias de maioria Nuer, outra etnia sul-sudanesa que habita nas zonas fronteiriças dos dois países.

Em Gambella, a 50 quilómetros da fronteira do Sudão do Sul, além de etíopes Nuer, residem também cerca de 272 mil refugiados sudaneses que fugiram da guerra civil que eclodiu em dezembro de 2013.

Esta segunda-feira, Hailemariam Desalegn garantiu que os atacantes não têm qualquer vínculo aos apoiantes do presidente do Sudão do Sul, Salva Kiir, nem ao ex-vice-presidente e líder rebelde Riek Machar, que estão em conversações para formar Governo após uma guerra civil de quase dois anos.

A região de Gambella, virtualmente rodeada pelo Sudão do Sul, é cenário constante de confrontos entre as diferentes tribos dos dois lados da fronteira, mas nunca foi palco de incidentes desta envergadura.

Outras Notícias