Mundo

Coreia do Norte acusa estudante australiano de espionagem

Coreia do Norte acusa estudante australiano de espionagem

O estudante australiano libertado depois de ter sido detido na Coreia do Norte reconheceu que "espiava" este país, afirmou, este sábado, a KCNA, agência oficial de notícias norte-coreana.

Alek Sigley, de 29 anos, um dos raros ocidentais a viver e estudar na capital norte-coreana, esteve desaparecido durante duas semanas antes de reaparecer em Pequim e chegar na quinta-feira ao Japão.

De acordo com a agência KCNA, Alek Sigley "admitiu, com honestidade, que estava a espiar e a recolher informações internas e a partilhá-las com outros", e que terá pedido por diversas vezes o perdão por violar a soberania do país.

A KCNA informou que Sigley foi preso a 25 de junho por ter divulgado propaganda contra o país, nomeadamente no NK News, um site norte-americano com sede em Seul que fornece informações e análises sobre a Coreia do Norte.

"Sigley, a pedido de órgãos noticiosos anti-DPRK (acrónimo de República Popular Democrática da Coreia), como a NK News, passou informações, incluindo fotografias e análises, que recolhia em viagens que fez por diferentes sítios de Pyongyang graças ao seu estatuto de estudante internacional", escreve a agência noticiosa norte-coreana.

A KCNA esclareceu também que "o Governo da RPDC usou da sua tolerância humanitária e expulsou-o do território norte-coreano em 4 de julho deste ano".

Nascido em Perth, Alek Sigley é fluente em coreano tendo estudado no ano passado na Universidade Kim Il Sung.

Alek Sigley também dirigiu uma agência de viagens e escreveu "posts" e artigos sobre a vida quotidiana em Pyongyang, tendo-se casado com uma mulher japonesa no ano passado.