Isabel dos Santos

Costa quer Portugal a colaborar na investigação aos "Luanda Leaks"

Costa quer Portugal a colaborar na investigação aos "Luanda Leaks"

O primeiro-ministro disse, esta quarta-feira, que compete a Portugal "colaborar totalmente" com as investigações das autoridades angolanas e fez uma separação entre a situação da acionista Isabel dos Santos e a atividade das empresas por ela participadas.

António Costa falava aos jornalistas depois de ter estado presente na inauguração de novas instalações e de novos laboratórios da multinacional portuguesa Hovione, em Loures, depois de interrogado sobre a matéria revelada pela investigação jornalística aos negócios da empresária angolana Isabel dos Santos.

"Compete a Portugal colaborar totalmente com as autoridades angolanas, tal como temos vindo a fazer e como iremos fazer. Espero que este caso permita à justiça angolana tratar aquilo que tem a tratar e às empresas portuguesas continuarem a desenvolver a sua atividade dentro do maior quadro de estabilidade possível", reagiu o primeiro-ministro.

Interrogado sobre a situação em que poderão ficar grandes empresas portuguesas em que a empresária Isabel dos Santos detém participações relevantes, António Costa procurou então traçar uma linha de demarcação entre a questão da acionista e continuação da atividade dessas mesmas empresas.

"Não conheço em pormenor os casos judiciais, mas a investigação tem sido sobre uma acionista e não sobre as empresas. Portanto, as medidas que sejam adotadas em relação à acionista não afetarão necessariamente as empresas. As empresas têm uma distinção entre aquilo que são os seus capitais, os seus recursos, e aquilo que é o capital e os recursos dos seus acionistas", alegou.

Costa rejeita acusação do Bloco e nega tratamento especial a Isabel dos Santos

O primeiro-ministro rejeitou a acusação do Bloco de Esquerda de que deu um tratamento especial à empresária angolana Isabel dos Santos e salientou que foi o seu Governo quem desblindou os estatutos do BPI.

"Não dei tratamento nem de especial, nem de favor, nem de desfavor. Temos de tratar as pessoas todas por igual", reagiu o líder do executivo, antes de responder à acusação feita pela coordenadora do Bloco de Esquerda, Catarina Martins.

"O Bloco de Esquerda deve seguramente desconhecer os factos, mas quando a doutora Catarina Martins conhecer algum facto sobre a atuação do Governo, designadamente sobre a minha atuação, tem sempre a oportunidade de me telefonar ou de me visitar. Eu terei todo o gosto em poder prestar-lhe esclarecimentos", respondeu.

Como facto em sentido contrário em relação ao teor dessa crítica feita pelo Bloco de Esquerda, António Costa referiu-se, então, ao longo processo de desblindagem dos estatutos do BPI, que se prolongou até 2017 e que envolveu a empresária filha do ex-presidente angolano José Eduardo dos Santos.

"Havia um conflito entre a engenheira Isabel dos Santos e outros acionistas, e havia um sistema de blindagem estatutária que garantia que Isabel dos Santos impedisse a alteração desse quadro estatutário, designadamente em relação a uma OPA (Oferta Pública de Aquisição) que estava para ser lançada por outro acionista. O Governo agiu como lhe competia, procurando, primeiro, contribuir ativamente para que os conflitos fossem ultrapassados", disse.

Segundo o primeiro-ministro, como esse conflito não foi ultrapassado, "o Governo fez o que devia, alterou a lei, pôs fim à desblindagem, permitindo ao banco encontrar o seu caminho normalmente".

António Costa recusou depois a perspetiva de que as investigações em torno de Isabel dos Santos possam criar um novo "irritante" nas relações diplomáticas entre Portugal e Angola, dizendo que, "pelo contrário, há um enorme alinhamento de pontos de visita".

O primeiro-ministro também não quis comentar um encontro que em breve terá lugar entre os procuradores gerais da República de Portugal e de Angola.

"Não tenho informações sobre e isso, nem tenho de ter. O Ministério Público em Portugal goza de autonomia", alegou.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG