Independência

Delegado catalão em Madrid impedido de apresentar alegações no senado

Delegado catalão em Madrid impedido de apresentar alegações no senado

O delegado catalão em Madrid, Ferran Mascarell, foi esta quinta-feira impedido de apresentar perante o senado as alegações do governo regional, e avisou que o movimento separatista não acabará com "a diplomacia da força".

A mesa do senado decidiu hoje que Mascarell não poderia intervir perante a comissão criada 'ad hoc' na câmara alta do parlamento para decidir sobre a aplicação do artigo 155.º da Constituição, como havia solicitado o presidente da Generalitat, Carles Puigdemont.

Fontes parlamentares explicaram à agência espanhola, Efe, que a maioria do Partido Popular (PP) no senado entendeu que deveria ter sido Puigdemont a defender as alegações no senado, ou deveria ter designado algum membro do seu executivo para o fazer em sua representação.

Uma vez que Mascarell não é membro do executivo autonómico, o PP recusou ouvi-lo, e o representante do governo catalão teve de abandonar a sala.

O delegado da Generalitat em Madrid lamentou não ter sido autorizado a intervir, o que considerou "um mau sintoma", em declarações aos jornalistas.

Mascarell lamentou que não tenha imperado o sentido "próprio" da política, que procura resolver problemas e não criá-los, e responsabilizou o executivo de Madrid por o diálogo não ter avançado.

Uma má política, insistiu, é a que não contribui "nem para melhorar a vida das pessoas nem para melhorar as relações com outras comunidades autónomas".

O representante criticou a aplicação do artigo 155.º, que o que procura é o "total desaparecimento" do que têm sido os pactos e acordos até agora.

O Governo espanhol decidiu no sábado assumir a gestão corrente do executivo regional da Catalunha, o que inclui a competência de dissolver o parlamento regional e convocar eleições no prazo de seis meses.

As medidas, ao abrigo do artigo 155.º, deverão ser viabilizadas pelo senado esta sexta-feira.

As medidas foram acordadas entre o executivo de Madrid, o PSOE (líder da oposição ao Partido Popular, no governo) e o Cidadãos.

Outras Notícias