Burkina Faso

Destroços do voo AH5017 foram localizados no Mali

Destroços do voo AH5017 foram localizados no Mali

Caças franceses a operar de uma base no Chade localizaram os destroços de um avião da Air Algérie que, esta quinta-feira de manhã, se despenhou quando sobrevoava o norte do Mali. A bordo da aeronave, que fazia a ligação entre a capital do Burkina Faso, Ouagadougou, e Argel, seguiam 112 passageiros de várias nacionalidades e sete tripulantes de nacionalidade espanhola. Entre os passageiros estão dois funcionários da União Europeia.

Um responsável aeroportuário confirmou que os destroços foram localizados no Mali, após buscas lançadas do Chade, com dois caças franceses Mirage 2000. Os destroços estarão numa zona de muito difícil acesso entre Gao e Kidal o que torna quase impossível a chegada das equipas de socorro ainda esta quinta-feira.

A descoberta dos destroços, que foi também anunciada pelas autoridades do Burkina Faso, não foi para já confirmada pelo Governo francês. De acordo com o ministro dos Negócios Estrangeiros, Laurent Fabius, "apesar das buscas intensivas, à hora a que me exprimo não foi encontrado qualquer sinal do aparelho. O avião provavelmente despenhou-se".

O presidente François Hollande garantiu, entretanto, que a França "mobilizou todos os meios militares no Mali" para encontrar o avião.

Uma informação inicial veiculada pelo Aeroporto de Ouagadougou segundo a qual entre os passageiros estava a sobrinha de Fidel Castro, Mariela Castro, não se confirmou, tendo a própria desmentido a sua presença no voo em declarações ao canal Telesur.

Segundo fonte oficial aeroportuária, dos 51 franceses a bordo do avião, pelos menos dois são funcionários da União Europeia. Trata-se de dois franceses que estavam colocados na capital do Burkina Faso, Ouagadougou.

Entre os passageiros, de acordo com uma lista entretanto divulgada pelo Aeroporto de Ouagadougou que alerta para o facto de cerca de um terço ter dupla nacionalidade, estão 20 libaneses, 28 do Burkina Faso, 51 franceses, cinco do Canadá, quatro alemães, um luxemburguês, um suíço e os tripulantes espanhóis.

O avião foi dado como desaparecido ao início desta manhã, mas entretanto foi confirmado que se tinha despenhado, segundo fonte oficial das autoridades de aviação argelina. "Posso confirmar que o avião se despenhou", disse a fonte à Reuters, recusando dar detalhes sobre onde terá caído e sobre as causas do acidente.

Perda de contacto esta manhã

"Os serviços de navegação aérea perderam o contacto com um avião da Air Algérie que assegura esta quinta-feira a ligação Ouagadougou - Argel, 50 minutos após a sua descolagem", anunciou a companhia aérea pública da Argélia.

"A Air Algérie informa que os serviços de navegação aérea tiveram o último contacto com o voo AH 5017 assegurando a ligação Ouagadougou-Argel neste dia 24 de julho à 1 hora e 55 minutos TMG, 50 minutos após a descolagem", explica um comunicado da Air Algérie.

De acordo com o sindicato espanhol dos pilotos de linha aérea, os tripulantes do avião, dois pilotos e quatro assistentes de bordo, são de nacionalidade espanhola e faziam serviço naquele avião fretado, por dois meses, à companhia aérea privada Swiftair, sedeada em Madrid.

Entre os passageiros, seguiriam 80 franceses, adianta o jornal espanhol ABC, citando uma fonte aeroportuária argelina. Contactada pelo JN, a Swiftair não confirmou nenhuma destas informações e remeteu esclarecimentos para a página da Internet da empresa.

A companhia argelina, no comunicado, explica ainda que colocou em marcha um "plano de emergência".

De acordo com a sua página na Internet, a Air Algérie assegura quatro voos semanais para Ouagadougou, a capital do Burkina Faso.

Uma fonte não identificada da companhia citada pela France Presse explicou que o contacto foi perdido quando o aparelho se encontrava no espaço aéreo do Mali, perto da fronteira argelina. "O avião não estava longe da fronteira argelina quando pedimos à tripulação que fazer um desvio de rota devido à má visibilidade e para evitar o risco de colisão com um outro avião da ligação Argel -Bamako". "O sinal foi perdido após a mudança de rumo", explicou a mesma fonte.

Segundo o diário francês "Le Monde", o avião desapareceu quando sobrevoava uma área que coincide com o deserto do Sahel, uma zona batida por tempestades de areia e onde as temperaturas podem chegar aos 45 graus, nesta altura do ano.

Apesar de uma intervenção militar ainda em curso, a situação permanece instável no norte do Mali, ocupado durante vários meses em 2012 por grupos armados jihadistas.

Outras Notícias