Espaço

Detetado primeiro planeta intacto próximo de uma estrela em fim de vida

Detetado primeiro planeta intacto próximo de uma estrela em fim de vida

Uma equipa internacional de astrónomos detetou o que pode ser o primeiro planeta intacto próximo de uma anã branca, estrela em fim de vida que normalmente destrói planetas na sua vizinhança.

Em comunicado, a agência espacial norte-americana NASA, que opera o telescópio TESS, um "caçador" de planetas fora do Sistema Solar, refere que o planeta em causa, o WD 1856b, possivelmente 14 vezes maior do que Júpiter, está a 80 anos-luz da Terra, na constelação Dragão.

O planeta extrassolar (exoplaneta) completa uma órbita à estrela WD 1856+534 ao fim de um dia e 14 horas, a uma velocidade 60 vezes superior à da órbita de Mercúrio em relação ao Sol. A anã branca é muito velha, terá 10 mil milhões de anos (o Universo terá 13,8 mil milhões de anos).

Justificando a relevância da descoberta, um dos astrónomos, Andrew Vanderburg, que leciona na Universidade de Wisconsin-Madison, nos Estados Unidos, disse que "o processo de criação de uma anã branca destrói planetas próximos".

"Qualquer coisa que depois se aproxima demasiado é normalmente despedaçada pela enorme gravidade da estrela", acrescentou o líder da investigação, citado pela NASA.

Além do telescópio TESS, os investigadores socorreram-se de um outro telescópio espacial, o Spitzer, antes de ter passado à "reforma", em 30 de janeiro, para poderem fazer o estudo, uma vez que a estrela, por ser tão velha, emite uma luz ténue, dificultando o trabalho de deteção de uma alteração significativa no seu brilho provocada pela passagem de um planeta.

Os resultados do estudo são publicados na revista científica "Nature".

Em dezembro, o Observatório Europeu do Sul anunciou a descoberta do primeiro planeta gigante em torno de uma anã branca, mas que estava a evaporar-se.

Em 2015 foi divulgado um estudo na "Nature" que reportava a descoberta de uma anã branca a "devorar" os restos de um planeta semelhante, na composição, à Terra. O estudo era igualmente coordenado por Andrew Vanderburg, que assina o trabalho divulgado esta quarta-feira.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG