Mundo

Detidos três alegados guardas de Auschwitz

Detidos três alegados guardas de Auschwitz

As autoridades judiciais da Alemanha anunciaram, esta quinta-feira, a detenção de três idosos suspeitos de terem sido ex-guardas das SS no campo de concentração de Auschwitz, na sequência de rusgas a casas particulares em três estados do país.

Os três homens, detidos na quarta-feira, têm 88, 92 e 94 anos e viviam no estado de Baden-Wurttemberg (sudoeste), referiram procuradores na cidade de Estugarda, citados pela agência noticiosa AFP.

Os três homens são suspeitos de terem participado nos assassínios que ocorreram no campo de extermínio nazi de Auschwitz, situado na Polónia ocupada e onde foram mortas mais de um milhão de pessoas durante a Segunda Guerra Mundial.

Os três idosos foram submetidos a exames médicos e compareceram perante um juiz que confirmou estarem em condições para permanecerem detidos num hospital-prisão, referem os procuradores na declaração.

As autoridades revistaram diversas casas em Baden-Wurttemberg e ainda outros apartamentos nos estados de Hesse e da Renânia do Norte-Vestefália.

"Foram apreendidos diversos registos e documentos da era nazi, e prosseguem as averiguações", indica o comunicado, numa referência à operação policial em seis casas de Baden-Wurttemberg.

Os procuradores de Frankfurt confirmaram em separado mais duas buscas em Hesse na quarta-feira, com a polícia a revistar as casas de dois homens com 89 e 92 anos, mas não foram anunciadas detenções.

PUB

Os homens são suspeitos de terem sido guardas das SS (Schutzstaffel, a Tropa de Proteção de elite do III Reich) em Auschwitz entre 1942 e 1944.

Os investigadores dos crimes de guerra nazis enviaram em 2013 aos procuradores os processos de 30 antigos funcionários de Auschwitz, com a recomendação de serem emitidas acusações.

Esta nova tentativa para fazer comparecer perante a justiça os últimos sobreviventes envolvidos no Holocausto segue-se a uma decisão histórica de um tribunal em 2011.

Durante mais de 60 anos os tribunais alemães apenas perseguiram criminosos de guerra nazis caso existissem provas de que tinham cometido pessoalmente atrocidades.

No entanto, em 2011, um tribunal de Munique sentenciou John Demjanjuk a cinco anos de prisão por cumplicidade no extermínio de judeus no campo de Sobibor, onde foi colocado como um guarda, e estabelecendo que todos os guardas de campos prisionais também poderiam ser julgados.

Mais de um milhão de pessoas, sobretudo judeus europeus, foram mortos em Auschwitz-Birkenau desde 1940 até à chegada das tropas soviéticas, em 27 de janeiro de 1945.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG