Brasil

Dezanove pessoas e duas empresas acusadas de vários crimes por 270 mortes em Brumadinho

Dezanove pessoas e duas empresas acusadas de vários crimes por 270 mortes em Brumadinho

A Polícia Federal brasileira acusou 19 pessoas e as empresas Vale e Tüv Süd de vários crimes na rutura da barragem de Brumadinho, que resultou na morte de 270 pessoas em janeiro de 2019.

Em comunicado, a Polícia Federal (PF) anunciou que concluiu a segunda fase das investigações sobre a rutura da barragem, através da qual identificou a prática de diversos crimes, como "homicídio doloso (dolo eventual) duplamente qualificado", vários delitos ambientais, além da apresentação de uma declaração falsa perante a Agência Nacional de Mineração (ANM).

Foram acusados pela prática de crimes ambientais a empresa de mineração brasileira Vale S.A., proprietária da barragem que ruiu, e a companhia alemã TÜV SÜD, responsável por fazer a auditoria da estrutura, além de 19 pessoas que trabalhavam para as empresas, como consultores, engenheiros, gerentes e diretores.

"As pessoas também foram indiciadas pela prática de crime de homicídio doloso (dolo eventual) duplamente qualificado pelo emprego de meio que resultou em perigo comum e de recurso que dificultou ou tornou impossível a defesa do ofendido, por 270 vezes [número de vítimas mortais]", detalhou a PF em comunicado.

Entre os crimes ambientais descritos pela corporação está poluição contra a fauna terrestre e aquática, flora, recursos hídricos, unidades de conservação e sítios arqueológicos.

O inquérito policial segue agora para análise do Ministério Público Federal.

PUB

O primeiro inquérito da PF já havia sido concluído em 2019, quando a corporação indiciou sete funcionários da Vale e seis trabalhadores da TÜV SÜD, além das duas empresas, pelos crimes de falsidade ideológica e uso de documentos falsos.

Esses documentos permitiram que a barragem continuasse em normal funcionamento, mesmo com critérios de segurança abaixo dos recomendados pela própria empresa e por padrões internacionais.

Em 25 de janeiro de 2019, o município de Brumadinho, em Minais Gerais, ficou parcialmente destruído por um mar de lama e resíduos, após a rutura de uma barragem de mineração da empresa brasileira Vale.

Além da gigantesca destruição de vegetação nativa, equivalente a cerca de 186 campos de futebol, o colapso da barragem causou a morte de 262 pessoas, sendo que os corpos de outras oito continuam desaparecidos, dados como mortos pelas autoridades.

A companhia Vale também é responsável por outro desastre de grandes proporções que aconteceu no Brasil.

No final de 2015, em Mariana, município também localizado no estado de Minas Gerais, a rutura de uma barragem da empresa mineira Samarco, controlada pela Vale e pela BHP Billiton, causou a morte de 19 pessoas e uma enorme tragédia ambiental.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG