Alexei Navalny

Mais de 200 detidos em manifestações de apoio a opositor na Rússia

Mais de 200 detidos em manifestações de apoio a opositor na Rússia

As forças de segurança russas detiveram mais de 200 pessoas nas manifestações que ocorrem em todo o país em apoio ao opositor russo Alexei Navalny, que foi colocado em prisão preventiva após chegar da Alemanha no passado domingo.

De Moscovo a Novosibirsk, a equipa do ativista anticorrupção fez apelos para que as pessoas saíssem às ruas em 65 cidades russas para protestarem contra a prisão de Navalny.

A polícia de Moscovo realizou a detenção de várias pessoas que compareceram à Praça Pushkin, no centro da capital russa, antes da manifestação de apoio a Navalny.

Uma hora antes da manifestação marcada para as 14 horas (11 horas em Portugal continental), a polícia antimotim deteve as pessoas e trancou-as em carrinhas celulares, segundo o relato de jornalistas da agência de notícias AFP.

Pelo menos 20 pessoas foram detidas, sem confrontos, em frente a uma multidão de jornalistas. As forças de segurança de Moscovo avisaram que dispersariam qualquer reunião ilegal.

Em outros lugares da Rússia, pelo menos 200 pessoas foram detidas.

PUB

As primeiras manifestações ocorreram no Extremo Oriente russo e na Sibéria, onde vários milhares de pessoas tomaram as ruas, principalmente em Vladivostok, Khabarovsk e Tchita, diante de um grande número de polícias antimotim deslocados para os locais dos protestos, de acordo com apoiantes de Navalny.

Em Yakutsk, ao sul do Círculo Polar, os manifestantes enfrentaram o frio extremo para se manifestarem, com -50 graus Celsius.

Entre quinta e sexta-feira vários apoiantes de Navalny foram detidos pelas autoridades russas, nomeadamente a porta-voz do ativista, Kira Iarmych, que foi condenada a nove dias de prisão.

Alexei Navalny foi preso em 17 de janeiro ao voltar à Rússia, depois de cinco meses de convalescença na Alemanha devido a um envenenamento, acusado de violar as medidas de controlo judicial (por estar em condicional, relacionada a outro processo na justiça russa) ao sair do país.

Várias instituições e países já apelaram para a libertação imediata do opositor russo.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG