Pandemia

Dezenas de milhares de manifestantes na Suíça contra restrições

Dezenas de milhares de manifestantes na Suíça contra restrições

Dezenas de milhares de pessoas protestaram, este sábado, na cidade suíça de Liestal, exigindo o fim das medidas de restrição impostas para conter a pandemia de covid-19.

Entre três mil e cinco mil pessoas, entre elas algumas vestidas com macacões brancos, participaram numa "manifestação silenciosa" nesta cidade do cantão de Basel, norte do país, segundo o número de participantes estimado pelos jornalistas locais.

Muitos manifestantes não usavam máscaras, sendo que alguns seguravam cartazes em que se dizia: "Chega!", "Vacinas matam" ou "Que o amor seja o vosso guia, não o medo".

Os manifestantes acreditam que o governo suíço está a usar medidas "ditatoriais" para impor restrições sanitárias, incluindo o encerramento de restaurantes e bares, com o objetivo de travar a disseminação do vírus SARS-CoV-2.

Num comunicado divulgado antes do início do protesto, os manifestantes, que receberam a permissão por parte da polícia para se reunirem, acusavam as autoridades de terem feito "refém" o país por "mais de um ano".

"Estas medidas não fazem sentido. Para proteger 1% da população em risco, destroem a vida de 99% da população", lamentavam os manifestantes no documento distribuído.

PUB

Uma manifestação semelhante realizou-se no início deste mês, em Chur, no leste da Suíça, tendo reunido mais de quatro mil pessoas.

Na sexta-feira, o governo federal optou por ser mais cauteloso perante a deterioração da situação de saúde por causa da pandemia de covid-19. Nesse sentido, anunciou o adiamento da reabertura dos restaurantes e bares e que as demais restrições se mantêm em vigor, apesar da forte pressão dos profissionais do setor e dos cantões.

Por outro lado, em termos de reuniões privadas, o número máximo permitido oscila entre cinco e dez pessoas.

As autoridades suíças estão preocupadas com o risco de um aumento "descontrolado" do número de casos de pessoas infetadas, alegando que esse número é "atualmente demasiado para permitir uma maior flexibilidade".

A Suíça, que tem 8,6 milhões de habitantes, registou cerca de 578 mil casos de infetados e 9.455 mortes devido à doença.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG