Mundo

Dezenas de mortos em ataque contra bastião do Estado Islâmico

Dezenas de mortos em ataque contra bastião do Estado Islâmico

Pelo menos 63 pessoas, na maioria civis, foram, esta terça-feira, mortas no decurso de raides aéreos da aviação síria em Raqa, bastião do grupo Estado Islâmico e considerados os mais mortíferos sobre esta cidade desde o início da guerra, referiu uma ONG.

"Entre os 63 mortos incluem-se pelo menos 36 civis. Há igualmente 20 corpos não identificados que podem ser de civis ou 'jihadistas' e ainda pedaços de corpos de outras sete pessoas", disse à agência noticiosa AFP o diretor do Observatório sírio dos direitos humanos (OSDH), Rami Abdel Rahmane.

Segundo precisou, a zona industrial de Raqa foi o alvo de dois ataques aéreos.

"Na sequência do primeiro raide as pessoas acorreram para socorrer as vítimas, e foi nesse momento que se registou o segundo raide", acrescentou Rahmane.

Vídeos difundidos na Internet por militantes de Raqa mostram corpos ensanguentados numa rua próxima de um dos alvos, enquanto uma ambulância acorria ao local.

Raqa é a única capital de província controlada pelo grupo sunita extremista EI desde que surgiu na Síria na primavera de 2013, e a cidade tornou-se no seu bastião.

No entanto, a cidade foi poupada durante vários meses aos ataques aéreos do regime de Damasco, que no mesmo período desencadeou raides sobre posições do EI no norte e leste da Síria. Segundo os militantes, a maioria das vítimas são civis.

Segundo a OSDH, oito raides aéreos sírios provocaram em 06 de setembro na mesma cidade a morte de 53 pessoas, na maioria civis.

Os ataques também vitimaram em 9 de setembro pelo menos 23 civis em Al-Bab, outra praça-forte do EI na província de Alepo (norte).

Posições do EI em Raqa e arredores também foram alvo nas últimas semanas da aviação da coligação internacional dirigida pelos Estados Unidos.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG