Tragédia

Dia sangrento em Espanha. Violência machista faz quatro mortos em nove horas

Dia sangrento em Espanha. Violência machista faz quatro mortos em nove horas

Quatro assassinatos violentos em apenas nove horas. Duas mulheres e duas crianças morreram às mãos do terror machista em Espanha. Um dia negro, que aumenta para 40 - 37 mulheres e três menores - o número de vítimas mortais deste tipo de casos, só em 2018.

O primeiro alerta do dia apontou a atenção para a zona de Valência. Logo às cinco horas da manhã, um homem de 48 anos matou as filhas, de apenas dois e seis anos, na própria casa. Depois da matança, precipitou-se da janela do sexto andar e suicidou-se. O corpo do homem foi encontrado por um popular. O pânico instalou-se de imediato com os vizinhos a alertaram as autoridades sobre o silêncio do interior do prédio onde as duas meninas estariam. Quando os bombeiros irromperam casa adentro, encontraram as crianças já sem vida.

"Um golpe terrível"e "um ato de vingança" contra a mãe, disse, Mónica Oltra, conselheira da Comissão de igualdade e Políticas Inclusivas da Comunidade Valenciana. É que o casal estava separado há um ano e o homem enfrentava graves problemas financeiros, diz o "El Español".

Itzar, de 42 anos, já tinha feito queixa de violência contra o ex-companheiro. O Tribunal de Valência tem dois processos relacionados com o casal. Ambos foram arquivados, a pedido do procurador e da vítima, que nos dois casos se recusou a testemunhar contra o pai das suas filhas.

Ainda o país estava a recuperar do rude golpe com que acordou quando, em Granada, às 9 horas, um homem de 49 anos mata a companheira, dez anos mais nova. O homem, sem qualquer antecedente criminal, foi detido no próprio local. O casal tinha um filho de 12 anos.

Nuria Mesa ainda gritou por ajuda à janela. Uma vizinha, que estava a tomar o pequeno-almoço num café próximo à casa onde o casal vivia, alertou o 112 que, por sua vez, avisou a Guardia Civil. Tarde demais.

Quando os serviços de emergência chegaram ao local, a mulher jazia em cima de uma poça de sangue, no chão da cozinha. Os ferimentos foram provocados por uma arma branca e o homem não saiu do local. Ficou lá. Junto ao corpo da mulher até ser detido pela polícia, explica o jornal "El País".

Para além do contorno trágico, há mais um elemento em comum. O casal também estava separado, apesar de estar a viver no mesmo local.

Uma e meia da tarde. Do outro lado do país, em Bilbau. Maguette Mbeugou, uma mulher de origem senegalesa, de 25 anos de idade, é esfaqueada mortalmente à frente das duas filhas, com menos de cinco anos.

Segundo o jornal "Levante", o corpo foi encontrado por elementos da Ertzaintza, a polícia do País Basco, depois de avisados por uma vizinha. O principal suspeito é o marido da vítima, que foi detido pelas autoridades ao final da tarde. Ao jornal "El Correo", um vizinho descreveu o casal como "encantador". Nunca foram vistos a discutir, mas "barulhos muito fortes", na madrugada que antecedeu o crime, deixaram alguns vizinhos surpreendidos.