Covid-19

Diplomacia tenta desembarcar portugueses há 76 dias num navio

Diplomacia tenta desembarcar portugueses há 76 dias num navio

A secretária de Estado das Comunidades disse à Lusa que a rede diplomática tem acompanhado portugueses retidos há mais de 76 dias em navios cruzeiro, mas explicou que têm sido impedidos de sair pelo México e Estados Unidos.

"A situação das tripulações retidas em navios cruzeiro, ao largo dos Estados Unidos e México, está a ser acompanhada de forma muito próxima pela rede diplomática, no sentido de garantir o desembarque das tripulações", afirmou Berta Nunes, numa declaração enviada à agência Lusa.

O desembarque encontra-se, no entanto "impedido pelas normas sanitárias e de segurança em vigor naqueles países", acrescentou.

Tal como o JN noticiou na sexta-feira, há 14 portugueses retidos há 76 dias num navio da linha de cruzeiros Seabourn, atracado em Puerto Vallarta, no México. "Quero muito voltar para casa. É um desespero. Imagine o que é estar fechada num quarto, 22 horas por dia", contou Joana Ferreira ao JN.

"A empresa tem sido impecável e está disposta a pagar milhões pelos nossos voos para que possamos ir para casa. Só que não nos deixam sair do barco e ir até a um aeroporto", explicou a jovem de 27 anos, natural de Felgueiras e a viver no Porto.

"Temos meia hora para cada tripulação fazer as refeições. Temos que medir a temperatura duas vezes por dia, de manhã e à noite, e cerca de meia hora para apanhar ar", acrescentou.

Na declaração enviada à Lusa, a secretária de Estado das Comunidades assegurou que "a rede diplomática tem feito diligências, em conjunto com outros países com nacionais retidos a bordo, tanto junto das empresas, como das autoridades norte-americanas e mexicanas".

O objetivo é, segundo Berta Nunes, procurar que, "no diálogo com empresas e autoridades locais, os cidadãos nacionais possam ser autorizados a desembarcar o mais rapidamente possível".

"No que respeita ao navio Konigsdam, com 12 nacionais a bordo, entre quase duas centenas de tripulantes europeus, prosseguem diligências para que seja autorizado o desembarque pelas autoridades locais e federais do México", concluiu.

Outras Notícias