O Jogo ao Vivo

Covid-19

Do táxi à ambulância em dois dias. Como a China controla a pandemia

Do táxi à ambulância em dois dias. Como a China controla a pandemia

Em Pequim, cidade com 23 milhões de habitantes e 35 casos de covid-19 na altura, Judith Teunissen desafiou as probabilidades ao cruzar-se com um taxista infetado, experimentando prontamente a eficácia da máquina chinesa em suprimir o coronavírus.

"Dois dias depois de ter apanhado o táxi, estava no supermercado quando recebi uma chamada", conta a holandesa Judith Teunissen à agência Lusa.

Do outro lado, um funcionário do Centro de Controlo e Prevenção de Doenças da China (CDC, na sigla em inglês) foi direto ao assunto: "Apanhou um táxi na quinta-feira, certo? Vamos agora buscá-la de ambulância. Onde está?". Judith pensou tratar-se de uma "brincadeira".

"O funcionário falava extremamente rápido e continuava a repetir que era do CDC", descreve. "Eu nem sabia o que significa CDC", conta a holandesa.

O episódio remonta a 10 de janeiro, quando a capital chinesa enfrentava um surto que somava então 35 infetados ativos, depois de quase meio ano sem casos.

As autoridades de saúde ordenaram que Teunissen fizesse quarentena, por um período de 21 dias, num centro designado fora da cidade.

Com a ajuda da embaixada da Holanda em Pequim, no entanto, a holandesa conseguiu acordar que a quarentena fosse feita em casa. Como condição, um alarme foi instalado no apartamento, para alertar as autoridades caso a porta se abrisse.

PUB

"No espaço de seis horas instalaram o alarme e tive que assinar um documento a prometer que não sairia de casa", conta.

Durante a primeira semana, Teunissen foi testada quatro vezes para a covid-19. O comité do bairro onde mora ficou encarregado de levar comida e compras de supermercado e de recolher o lixo.

Desde março passado, quando o Partido Comunista Chinês declarou vitória sobre a doença, as autoridades têm atuado rapidamente para impedir que novos surtos se alastrem, colocando sob quarentena bairros ou cidades inteiras, enquanto testam massivamente a população local, assim que os primeiros casos são diagnosticados.

O relato de Judith Teunissen ilustra a eficácia do sistema chinês em lidar com a doença, mas também o seu lado mais sombrio.

O vírus foi mantido sob controle, mas apenas devido ao poder do regime de ditar mudanças colossais, enquanto dispõe de um amplo aparelho de vigilância.

Praticamente todas as pessoas que vivem na China são obrigadas a usar uma aplicação no telemóvel que regista em detalhe onde estiveram. A "app" é exigida à entrada de edifícios de escritórios, centros comerciais ou supermercados.

Comités de Prevenção da Epidemia foram oficialmente criados em todos os bairros, ilustrando a mobilização nacional, depois de o Presidente chinês, Xi Jinping, ter designado o combate ao vírus como uma "guerra popular".

O sucesso permitiu ao Partido Comunista validar o seu governo de partido único, apesar de os estágios iniciais do surto, na cidade de Wuhan, centro da China, revelarem que as autoridades foram lentas a agir.

No final de dezembro de 2019, já vários médicos em Wuhan alertavam para os perigos de uma nova doença desconhecida mas, segundo relatos veiculados pelos media na altura, a polícia deteve oito deles para os "educar" sobre os perigos associados a espalhar rumores.

Mas assim que a liderança do Partido Comunista se mobilizou, fê-lo com resolução. O anúncio do bloqueio de Wuhan, em 23 de janeiro, surgiu a meio da noite, sem aviso ou debate público.

Durante a primeira semana confinada, Judith Teunissen fez exercício físico e viu documentários. Na segunda, começou a pensar na vida. Mas à terceira, a holandesa já tinha pensado em tudo o que havia para pensar.

"Estava já a repetir pensamentos", lembra. "É muito deprimente", descreve. "É como se não houvesse mais nada. Só o vazio".

Agência Lusa

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG