Mundo

Dois mortos na Tailândia em explosão contra manifestantes

Dois mortos na Tailândia em explosão contra manifestantes

Pelo menos duas pessoas morreram e 28 ficaram feridas em resultado da explosão de uma granada lançada para um acampamento com manifestantes antigoverno, na zona comercial de Banguecoque, informaram os meios de comunicação locais.

As vítimas mortais são uma criança de 12 anos e uma mulher de 40 anos, de acordo com o diário "The Nation", que cita uma fonte do centro para emergências 'Erawan'.

De acordo com o mesmo organismo, pelo menos 28 pessoas, incluindo três crianças, ficaram feridas, dois deles em estado grave.

O incidente aconteceu por volta das 17.00 locais (10.00 horas em Lisboa), na área comercial de Ratchaprasong, um dos locais ocupados pelos protestos, desde o dia 13 de janeiro.

As autoridades estiveram no local do incidente, onde, segundo alguns meios online, estão detidos dois presumíveis autores do atentado e onde foram encontrados fragmentos de granada.

Hoje houve igualmente registo de uma tentativa de ataque com explosivos ao Tribunal Civil de Justiça, mas os engenhos não chegaram a detonar.

PUB

No sábado à noite, uma menina de cinco anos morreu e 35 pessoas ficaram feridas num acampamento de manifestantes anti-Governo na província de Trat, a cerca de 300 quilómetros este de Banguecoque, na sequência de um ataque com armas e explosivos por um grupo ainda não identificado.

Os atacantes lançaram pelo menos três granadas a partir de um veículo, numa zona próxima do local onde discursava na altura um dos líderes dos protestos, no mercado de Yingcharoen, no distrito de Khao Saming, perante cerca de 500 pessoas, segundo o jornal 'Bagkok Post'.

Depois do lançamento dos explosivos, os atacantes abriram fogo.

Com estas mortes sobem para 19 as pessoas que morreram, entre manifestantes e polícias, e contabilizam-se mais de 700 feridos desde que começaram as manifestações.

Os confrontos do dia 18, quando se registaram disparos e a explosão de uma granada, foram os mais sangrentos desde o início dos protestos, com um balanço de um polícia e quatro manifestantes mortos.

Os manifestantes antigoverno exigem a saída do atual governo, de forma a nomear um conselho que faça a reforma do sistema político, que consideram corrupto e ao serviço dos interesses da primeira-ministra, Thaksin Shinawatra, irmã de Yingluck, atual chefe do executivo.

A Tailândia arrasta-se numa grave crise desde o golpe militar que depôs Thaksin em setembro de 2006.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG