Direitos

Doze candidatos pró-democracia impedidos de concorrer às eleições de Hong Kong

Doze candidatos pró-democracia impedidos de concorrer às eleições de Hong Kong

Doze candidatos pró-democracia de Hong Kong, entre os quais Joshua Wong, foram desqualificados para concorrer às eleições de setembro, indicou esta quinta-feira o executivo da região administrativa especial.

"O Governo defende a decisão (...) de invalidar as 12 candidaturas às eleições do Conselho Legislativo", anunciou o governo da Região Administrativa Especial de Hong Kong através de um comunicado.

Os partidos pró-democracia em Hong Kong realizaram em julho primárias para nomearem os seus candidatos para as eleições parlamentares previstas para setembro, apesar dos avisos das autoridades de que corriam o risco de violar a nova lei de segurança.

A votação, que contou com a participação de 600 mil pessoas, foi considerada ilegal pelas autoridades da República Popular da China.

Na lista dos candidatos impedidos de concorrer figuram alguns destacados líderes do movimento pró-democracia de Hong Kong, como o secretário-geral da extinta organização política Demosisto, Joshua Wong e o deputado e líder do Partido Cívico, Alvin Yeung.

"Acabam de vetar o meu nome para as eleições do Conselho Legislativo apesar de ser o vencedor das primárias (...) Pequim está a levar a cabo a maior repressão contra as eleições na cidade ao desqualificar desta forma quase todos os candidatos pró-democratas", afirmou Wong através de uma mensagem difundida pela rede social Twitter após ter sido conhecida a decisão.

De acordo com o Executivo da Região Administrativa Especial de Hong Kong, a medida sobre estes doze candidatos foi tomada porque "não apresentaram devidamente assinada a declaração em que se comprometem a proteger a Lei Básica e a jurar lealdade à República Popular da China".

A autoridade eleitoral considera que aqueles que defendem a independência de Hong Kong, que pedem a outros países para intervir nos assuntos locais ou se neguem a aceitar que a região é território sob soberania de Pequim e se oponham à Lei de Segurança Nacional "não podem proteger a Lei Básica de forma honesta".

Após os resultados alcançados nas eleições locais de novembro de 2019, a oposição democrata esperava conseguir a maioria nas próximas eleições legislativas de setembro.

Para a Comissão Eleitoral, outro dos motivos para a desqualificação foi a rejeição por alguns candidatos ao Conselho Legislativo de propostas de lei, nomeações, e orçamentos no sentido de "obrigarem o Executivo a aceitar certas exigências políticas".

Perante as críticas sobre a desqualificação, o Executivo local diz que "não se trata de nenhum tipo de censura politica, restrição, liberdade de expressão ou direito de concorrer às eleições".

As eleições estão agendadas para o dia 6 de setembro mas nas últimas horas têm surgido notícias na imprensa local que indicam que o governo está a ponderar adiar a votação para 2012 por causa da "nova vaga" da pandemia de SARS CoV-2 que se regista na antiga colónia britânica.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG