Pentágono

Drones espiões e ilusões de ótica explicam avistamentos de OVNIS nos EUA

Drones espiões e ilusões de ótica explicam avistamentos de OVNIS nos EUA

O aumento de avistamentos de "fenómenos aéreos não identificados" intriga o Pentágono e as agências de informação há anos, alimentando teorias sobre visitas de extraterrestres e sobre espionagem com tecnologia avançada. Agora, autoridades do governo norte-americano dizem que muitos dos incidentes têm explicações muito mais vulgares.

PUB

As agências de informação vão entregar, na próxima segunda-feira, um documento confidencial ao Congresso dos EUA para atualizar um relatório divulgado no ano passado que alegava que quase todos os avistamentos de "fenómenos aéreos não identificados" permanecem inexplicáveis. O documento original analisou 144 incidentes entre 2004 e 2021 que foram relatados por fontes do governo dos EUA, principalmente militares norte-americanos.

De acordo com o "The New York Times", autoridades governamentais acreditam agora que operações de vigilância de potências estrangeiras e balões meteorológicos ou outros objetos aéreos explicam os incidentes mais recentes de fenómenos aéreos não identificados, bem como muitos episódios nos últimos anos. Alguns dos incidentes foram formalmente atribuídos à vigilância chinesa com tecnologia de drones relativamente comum. Segundo as autoridades, a China, que roubou planos de caças avançados, quer saber mais sobre como os EUA treinam os seus pilotos militares.

Não é claro se o novo relatório será tornado público. Muitas das informações sobre os fenómenos não identificados permanecem classificadas e, embora o Congresso tenha sido informado sobre algumas das conclusões sobre vigilância estrangeira, o Pentágono manteve a maior parte do trabalho em segredo. Segundo Sue Gough, porta-voz do Departamento de Defesa, o Pentágono está comprometido com os princípios de abertura, mas deve equilibrá-los com a "obrigação de proteger informações, fontes e métodos confidenciais".

Ilusões de ótica explicam vídeos antigos

Por sua vez, muitos dos incidentes mais antigos ainda não foram explicados e há poucos dados para que o Pentágono tire conclusões definitivas. Autoridades insistem que, mesmo que os vídeos sejam imperfeitos, não mostram extraterrestres e que as ilusões de ótica, juntamente com as características de materiais classificados, fazem com que objetos comuns, como drones ou balões, pareçam algo incomum ou assustador. Em maio, o Pentágono anunciou que imagens de triângulos verdes que pareciam naves alienígenas eram, na verdade, drones fotografados através de lentes de visão noturna.

Um dos vídeos, conhecido como "GoFast", parece mostrar um objeto a mover-se a grande velocidade. Porém, os militares afirmam que se trata de uma ilusão criada pelo ângulo de observação contra a água. De acordo com cálculos do Pentágono, o objeto está a mover-se a apenas 48 quilómetros por hora.

Outro vídeo, conhecido como "Gimbal", mostra um objeto que parece estar girar. Agora, militares acreditam que é a ótica do sensor de imagem, projetado para ajudar a direcionar armas, que faz o objeto parecer que se está a mover assim.

Avistamentos sem explicação dão asas a conspirações

Os militares continuam intrigados com o terceiro vídeo, conhecido como "Flir1". O objeto capturado no vídeo de 2004 parece pairar sobre a água, saltar de forma irregular e depois soltar-se. As autoridades concordam que este evento é mais difícil de explicar, mas estão convencidas de que não é uma peça de tecnologia alienígena.

Em maio, funcionários do Pentágono testemunharam que o governo não tinha provas da existência de extraterrestres. No entanto, ao refutar fornecer teorias alternativas, o entusiasmo pelas teorias da conspiração sobre visitantes alienígenas não diminuiu. Os entusiastas pelo tema argumentam que o governo não sabe o que são estes incidentes, deixando em aberto a possibilidade de que extraterrestres tenham visitado os Estados Unidos.

No país, há um grande histórico do uso das teorias da conspiração para impedir que sejam revelados segredos do Estado. Durante o desenvolvimento de aviões espiões como o U-2 e o SR-71 Blackbird, por exemplo, o governo permitiu a difusão de rumores sobre avistamentos de OVNIs para continuar a esconder o desenvolvimento desses programas.

Algumas autoridades norte-americanas acreditam que o sigilo em torno da vigilância chinesa de bases militares pode voltar a fazer renascer teorias da conspiração e aumentar a desconfiança em relação ao governo numa sociedade cada vez mais dividida.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG