Bélgica

Duas dezenas de operações em Bruxelas saldam-se em 16 detenções

Duas dezenas de operações em Bruxelas saldam-se em 16 detenções

As 19 operações policiais que decorreram no domingo à noite na região de Bruxelas saldaram-se por 16 detenções, mas o suspeito mais procurado, Salah Abdeslam, não foi encontrado, segundo um porta-voz da procuradoria federal belga.

Numa conferência de imprensa, em que não houve lugar a perguntas, o porta-voz disse que foram levadas a cabo 19 operações, em sete comunas da região de Bruxelas, de que resultou a detenção de 16 pessoas, mas nenhuma delas é Salah Abdeslam, identificado como um autores dos atentados de dia 13, em Paris.

Não foram apreendidas armas nem explosivos nas diligências levadas a cabo por unidades especializadas em combate ao terrorismo nas comunas de Molenbeek, Anderlecht, Jette, Schaerbeek, Woluwé-Saint-Lambert e Forest, a que acrescem outras três em Charleroi (a 50 km da capital belga)

Um dos detidos esta noite foi o condutor de um veículo que tentou abalroar a polícia e foi ferido por disparos das autoridades, em Molenbeek, mas o porta-voz da procuradoria salientou não se saber ainda se está relacionado com um ato terrorista.

As operações foram dadas por concluídas cerca das 23 horas de Bruxelas (22 em Portugal continental).

As autoridades belgas decidiram manter na segunda-feira o nível de alerta máximo na região de Bruxelas, por considerarem que permanece uma "ameaça séria e iminente" de ataques terroristas, anunciou, domingo, o primeiro-ministro belga, Charles Michel.

Deste modo, na segunda-feira todas as linhas de metro continuarão encerradas e as escolas da região de Bruxelas fechadas, o que se aplica também às universidades e escolas superiores, estando prevista uma nova avaliação da situação da parte da tarde, precisou em conferência de imprensa Charles Michel, que se escusou a adiantar quaisquer dados sobre os "diversos inquéritos em curso".

As instituições europeias decidiram levantar o novel de alerta de amarelo para laranja e todas as reuniões não essenciais foram canceladas, mantendo-se, no entanto, o Conselho de Ministros das Finanças da Zona Euro (Eurogrupo), com a participação de Maria Luís Albuquerque.

A decisão de manter Bruxelas sob o nível máximo de alerta foi tomada após uma reunião realizada ao fim da tarde de domingo pelo Conselho de Segurança Nacional, para avaliar a adaptação das medidas de segurança em função da reanálise do grau de ameaça levada a cabo pelo Órgão de Coordenação e Análise de Ameaças (OCAM) e pelo centro de crise.