Confrontos

Dois manifestantes atropelados pela polícia na Catalunha

Dois manifestantes atropelados pela polícia na Catalunha

Após a condenação de dirigentes catalães até 13 anos de prisão na passada segunda-feira, os protestos voltaram às ruas pelo terceiro dia consecutivo. Já foram detidas mais de 50 pessoas e há um rasto de destruição em Barcelona.

Segundo o jornal "El Mundo", grupos radicais de manifestantes estão a queimar carros e caixotes do lixo e a atirar pedras e ácido contra os Mossos d'Esquadra (polícia da Catalunha).

Em Tarragona, de acordo com o La Vanguardia, dois manifestantes foram atropelados por uma carrinha dos Mossos d'Esquadra. Entretanto surgiram nas redes socias vídeos do momento:

Pelo menos 41 feridos em protestos

Pelo menos 41 pessoas ficaram esta quarta-feira feridas durante os protestos e manifestações contra a condenação a prisão dos principais dirigentes independentistas na Catalunha, anunciou o Sistema de Emergência Médico (SEM).

Dos feridos registados, 28 foram assistidos pelo SEM em Barcelona, onde na noite de hoje se registaram violentos confrontos entre os manifestantes e a polícia.

Os restantes feridos contabilizados foram atendidos em Sils (Girona), Girona, Sallent (Barcelona), Manresa (Barcelona), Tarragona e Lleida, onde também ocorreram protestos e manifestações.

Uma pessoa ferida em Sils foi transportada para o hospital em estado grave, enquanto outra pessoa ferida em Tarragona sofreu um traumatismo cranioencefálico, estando a ser avaliada no hospital.

Na segunda-feira, o Supremo Tribunal espanhol condenou os principais dirigentes políticos envolvidos na tentativa de independência da Catalunha a penas que vão até um máximo de 13 anos de prisão, desencadeando movimentos de protesto de grupos de independentistas em todo o território da comunidade autónoma espanhola mais rica.

Barcelona tornou-se um cenário de uma batalha campal entre polícias e manifestantes, que construíram barricadas, queimaram mobiliário urbano e pneus, fizeram fogueiras e atiraram pedras e petardos contra os polícias.

Ao início da noite, o primeiro-ministro espanhol, Pedro Sanchez, disse que o executivo ia "garantir os plenos direitos e a manutenção da ordem na Catalunha", mas que não pensava aplicar medidas excecionais na região.

Alguns sindicatos da polícia denunciaram que alguns indivíduos usaram facas para esvaziar os veículos das autoridades em Tarragona.

Foram convocadas marchas desde cinco cidades, Girona, Vic, Berga, Tàrrega e Tarragona, tendo como destino final, Barcelona. Deverão chegar esta sexta-feira. Uma manifestação vai ter lugar na cidade às 17 horas.

O presidente do Governo regional da Catalunha, Quim Torra, está a percorrer uma das marchas e até ao momento, não condenou a violência de alguns atos dos manifestantes pró independência.