MS804

Destroços encontrados no Mediterrâneo não são da EgyptAir

Destroços encontrados no Mediterrâneo não são da EgyptAir

Egypt Air corrige informação anterior e corrobora autoridades gregas, que confirmam que os pedaços avistados não são do avião desaparecido.

O chefe da autoridade de segurança aérea da Grécia negou, esta quinta-feira à noite, que os destroços encontrados no Mediterrâneo sejam do avião da EgyptAir que se despenhou ao largo de uma ilha grega com 66 pessoas a bordo, , na última madrugada, quando fazia a ligação Paris-Cairo.

"Até agora, a análise indica que os destroços não são de um avião", disse o chefe da autoridade de segurança aérea da Grécia, após a companhia aérea egípcia ter confirmado a descoberta dos destroços do avião da EgyptAir, que hoje de madrugada caiu a cerca de 200 milhas a sul da ilha de Creta, uma área sob responsabilidade do Egito.

O mesmo responsável adiantou que falou com o seu homólogo egípcio às 17:45 horas locais (18:45 em Lisboa) e que lhe afirmou não estar ainda provado que os destroços encontrados pertencem ao "voo MS804".

As dúvidas ficaram entretanto desfeitas. Um representante da EgyptAir veio corrigir, esta noite, a informação veiculada de forma oficial pela companhia, esta tarde, de que tinham sido encontrados no Mediterrâneo os destroços do voo MS804. "Reconhecemos o erro", disse o vice-presidente Ahmed Adel à CNN. "Os destroços encontrados não são do nosso avião", afirmou.

Antes, uma fragata grega tinha encontrado dois pedaços de plástico vermelho e branco, numa área do mar Mediterrâneo onde foi detetado um sinal rádio, a cerca de 425 quilómetros da ilha de Creta. Os destroços foram inicialmente identificados por um avião C-295 egípcio.

Os meios de comunicação gregos avançaram que os destroços encontrados seriam coletes salva-vidas, mas a televisão pública salientava a admiração das autoridades do país com o local onde os objetos foram encontrados.

O Airbus que realizava o voo MS804 da Egypt Air, entre Paris e Cairo, terá caído a cerca de 180 quilómetros da ilha de Karpathos e nada faria prever que fossem encontrados destroços na área onde o avião militar egípcio os detetou, já que os ventos na região não os levariam para aquele local.

"Foram encontrados destroços a sudoeste de Creta, já no que corresponde ao espaço aéreo do Cairo", confirmou Vassilis Beletsiotis, porta-voz da marinha grega.

Segundo a CNN, a teoria oficial do Governo dos EUA aponta para a existência de uma bomba a bordo.

Tese de terrorismo

Momentos antes desta descoberta ter sido tornado pública, o ministro da Aviação egípcio afirmou ser mais provável o avião ter caído devido a terrorismo, do que por uma qualquer falha técnica. Ainda assim, Sherif Fathy disse em conferência de imprensa que ainda é cedo para tirar conclusões sobre o incidente.

"Não fico feliz com as especulações, quando ainda não encontramos os destroços", afirmou ministro egípcio em resposta a algumas perguntas de jornalistas.

O jornal britânico "The Guardian" avança que a possibilidade de a queda do aparelho ter sido causada por um bombista-suicida ou por um explosivo está a ser encarada pelas autoridades gregas como "muito real".

O diretor dos serviços secretos russos (FSB), Alexander Bortnikov, afirma que "é muito provável que tenha sido ataque terrorista" e todas as nações devem "tomar medidas preventivas".

Piloto bem-disposto

De acordo com a autoridade de aviação civil grega, o piloto do avião da Egypt Air sai do espaço aéreo grego estava bem-disposto, tendo-se despedido do controlador aéreo em grego.

Pouco depois, às 3.27 horas, deixou de responder aos pedidos das autoridades, apesar dos "esforços repetidos" para o contactar. Às 3.29 horas, a aeronave desapareceu do radar.