Covid-19

Epidemiologista chinês alerta para surtos dez vezes maiores em Xangai

Epidemiologista chinês alerta para surtos dez vezes maiores em Xangai

O epidemiologista Zhang Wenhong alertou, esta segunda-feira, as autoridades de Xangai que, devido ao "levantamento global" das medidas contra a covid-19, a China enfrenta "mais riscos", pelo que a cidade deve "preparar-se para surtos cinco ou dez vezes maiores".

Ao contrário dos países que levantaram as suas restrições, a China "não pode relaxar de forma alguma as medidas de prevenção contra a pandemia", advertiu Zhang, numa carta enviada ao governo de Xangai.

A disseminação da variante ómicron, caracterizada como altamente contagiosa, traria grande pressão sobre o sistema de saúde, segundo alertou o epidemiologista.

O especialista, que lidera a luta contra a pandemia em Xangai e é um dos rostos mais reconhecidos entre os epidemiologistas chineses, recomendou que as autoridades "realizem simulações", "reforcem o sistema de tratamento" e "façam um bom trabalho na preparação dos materiais e na organização de cursos de formação".

Na missiva, Zhang lembrou que a nova variante "está a espalhar-se pelo mundo a uma velocidade sem precedentes", o que implica o risco de "casos importados" do exterior, que podem somar-se a "casos de transmissão local".

A China continua a aplicar uma política de tolerância zero contra o novo coronavírus, estratégia que envolve campanhas massivas de testes de diagnóstico PCR e restrições à mobilidade sempre que um caso é detetado.

Desde março de 2020, as fronteiras do país asiático estão praticamente fechadas para visitantes estrangeiros não residentes. Todos os passageiros que chegam à China devem passar por uma quarentena centralizada de pelo menos 14 dias em hotéis pagos pelo viajante.

PUB

Xangai continua a ser uma das principais portas de entrada no país.

As autoridades locais decidiram aumentar os 14 dias de vigilância centralizada para 21 no caso de viajantes que não residem na cidade, uma política que vai ser mantida até pelo menos 31 de março, segundo a agência noticiosa oficial Xinhua.

Segundo dados oficiais chineses, desde o início da pandemia, 105 660 pessoas foram infetadas no país e 4636 morreram.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG