Migrações

Erdogan impede travessia de migrantes no Mar Egeu

Erdogan impede travessia de migrantes no Mar Egeu

O Presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, ordenou à guarda costeira que impeça a travessia do Mar Egeu por migrantes e refugiados, anunciou o serviço da guarda costeira turca na rede social Twitter.

"Por ordem do Presidente (...) nenhuma autorização será dada aos migrantes para atravessar o Mar Egeu por causa dos perigos que isso implica", pode ler-se na publicação feita pela guarda costeira da Turquia, citada hoje pela agência France-Presse.

O Mar Egeu estende-se da Grécia até à Turquia e é umas das rotas de migração mais utilizadas.

De acordo com a publicação, a "abordagem de não intervir para impedir que os migrantes deixem a Turquia continua válida, exceto pelas vias marítimas, devido aos perigos" que a travessia representa.

A guarda costeira referiu também que salvou 97 migrantes em perigo na quinta-feira e acusou as autoridades gregas de "esvaziarem três embarcações, deixando-as à deriva, meias afundadas".

Ancara e Atenas têm trocado acusações relativamente aos migrantes e refugiados.

Os turcos denunciam a brutalidade das autoridades da Grécia contra as pessoas que tentam chegar à Europa, e os gregos acusam a Turquia de pressionar e auxiliar o êxodo.

O Presidente turco vai estar na próxima semana em Bruxelas, anunciou o seu gabinete numa altura de tensão entre a Turquia e a União Europeia (UE) por causa dos migrantes e refugiados.

O comunicado divulgado hoje pelo gabinete de Erdogan refere apenas que o Presidente chegará a Bruxelas na próxima segunda-feira, não especificando onde estará durante a visita de dia e meio nem a natureza do trabalho que o leva à capital belga, onde se situa a sede da UE.

Nos últimos dias, a tensão entre Ancara e Bruxelas aumentou após a Turquia ter anunciado a abertura de fronteiras para deixar passar migrantes e refugiados para a UE, ameaçando falhar os compromissos assumidos com a Europa.

A UE e a Turquia celebraram em 2016 um acordo no âmbito do qual Ancara se comprometia a combater a passagem clandestina de migrantes para território europeu em troca de ajuda financeira.

Erdogan lembrou que a Turquia abriga mais de 3,5 milhões de refugiados sírios e anunciou que iria deixar de ser a guardiã da Europa.

As declarações foram veementes criticadas pelos chefes da diplomacia da UE, que lamentaram o "uso político de migrantes" e pediram a Ancara que não quebrasse os compromissos no acolhimento de refugiados.

A Grécia é o país que mais sente a pressão migratória nas suas fronteiras externas com a Turquia, um problema que afeta a Bulgária e o Chipre.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG