Mundo

Estado Islâmico destruiu torres funerárias em Palmira

Estado Islâmico destruiu torres funerárias em Palmira

O grupo extremista "Estado Islâmico" fez explodir pelo menos três das famosas torres funerárias de Palmira, no chamado Vale dos Túmulos, no deserto sírio, anunciou, esta sexta-feira, o chefe de Antiguidades sírias, Maamun Abdulkarim.

"Eles fizeram explodir três das torres funerárias, aquelas que estavam mais bem conservadas, as mais belas", indicou, depois de o grupo "Estado Islâmico" (EI) ter destruído, nas duas últimas semanas, dois dos mais importantes templos de Palmira.

"Recebemos informações há dez dias, mas só agora conseguimos confirmar (...) através de imagens por satélite da Syrian Heritage Initiative, um instituto com sede nos Estados Unidos, que foram obtidas na quarta-feira", explicou o diretor de antiguidades e museus do Ministério da Cultura sírio.

Na opinião deste especialista, os monumentos destruídos são os túmulos de Elahbel, Jamblique e Khitôt "construídos por famílias da antiga Palmira e que eram um símbolo do desenvolvimento económico da cidade durante os primeiros séculos depois de Cristo".

"Palmira é conhecida pelas torres funerárias, que são características da arquitetura da cidade", lembrou Abdulkarim.

O EI, que aproveitou a guerra civil para ocupar grandes áreas da Síria, derrotou as forças governamentais sírias e conquistou Palmira, a 205 quilómetros a leste de Damasco, em 21 de maio.

A 23 de agosto, os 'jihadistas' destruíram com explosivos o templo de Baal-shamin em Palmira. Alguns dias antes, executaram o ex-responsável pelo património da cidade Khaled al-Assaad, de 82 anos.

No domingo, o EI destruiu o templo de Bel, "o mais belo símbolo de toda a Síria", de acordo com Abdulkarim.

A "pérola do deserto", como é apelidada esta cidade com mais de dois mil anos, tem grande importância estratégica para o grupo radical.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG