O Jogo ao Vivo

Inglaterra

"Estava preparado para morrer", diz ex-condenado que parou atacante em Londres

"Estava preparado para morrer", diz ex-condenado que parou atacante em Londres

"Eu gritei e pedi que ele arrebentasse aquilo. Estava preparado para morrer". A confissão é de John Crilly, um ex-prisioneiro que atacou o homem que no final de novembro matou duas pessoas na Ponte de Londres.

Em entrevista à BBC, John Crilly, que cumpriu pena por assassinato, na sequência de um assalto que correu mal, disse que, munido de um extintor, visou Usman Khan, desconhecendo, ainda, que o colete de explosivos que o homem usava era falso.

Tal como outras pessoas que passavam na rua naquele momento, John insistiu com a polícia para que disparasse sobre Usman. "Parece que passaram anos antes de eles terem disparado contra ele. Eles ainda demoraram algum tempo até disparar para o sítio que eu tinha indicado", descreveu.

Usman, condenado em 2012 por crimes terroristas, matou duas pessoas, Jack Merritt e Saskia Jones, e feriu outras três no ataque que levou a cabo, no dia 29 de novembro, durante uma conferência sobre a reabilitação de antigos prisioneiros, em Fishmongers 'Hall.

Gritos foram alerta para o ataque

John estava na conferência e recorda que foram os gritos de uma mulher que chamaram a sua atenção. Desceu as escadas e viu Saskia Jones, que viria a morrer, ferida.

Conseguiu vislumbrar o atacante e ao interpelá-lo foi confrontado com uma resposta que em nada o tranquilizou. "Vou matar toda a gente". "Agora assumo que ele viu um grande alvo. Uma sala cheia. Com juízes, polícia, seguranças e pessoas em liberdade condicional", explica.

Várias pessoas saíram e atacaram Usman com aquilo que tinham à mão. No meio da confusão, o atacante ainda dirigiu breves palavras a John. Explicou que estava à espera da polícia para fazer explodir o cinto, falso, que tinha preso ao corpo.

Dois homens usaram um poste e uma presa de baleia que arrancaram da parede do edifício, obrigando o atacante a deixar o espaço, saindo para a rua onde acabou por ser abatido pela polícia.

Nos vídeos que chegaram às redes sociais e que mostram o momento de tensão na ponte pode ver-se John a despejar o extintor no atacante ao mesmo tempo que o outro homem o ataca com a presa de baleia.

"O spray distraiu-o e o outro golpe desequilibrou-o", explicou. Outros pedestres que estavam na zona também ajudaram a parar o atacante.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG