Covid-19

Estudo conclui que risco de miocardite após vacinação é muito baixo

Estudo conclui que risco de miocardite após vacinação é muito baixo

O risco de desenvolver miocardite após ser vacinado contra a covid-19 é muito baixo e equiparado a vacinas contra outras doenças, revela um estudo divulgado, esta terça-feira, na revista "The Lancet Respiratory Medicine".

A análise juntou onze estudos que abrangem dados de 395 milhões de doses de vacina administradas, sendo cerca de 300 milhões vacinas de ARN (mRNA, sigla em inglês).

Segundo os investigadores, a miocardite afeta cerca de 18 pessoas em cada um milhão de injeções.

O estudo refere que o risco associado às vacinas contra a covid-19 é comparável, e em alguns casos menor, face a outras vacinas contra outras doenças.

O risco associado à vacinação contra o SARS-CoV-2 é maior no caso das vacinas de mRNA, com 22,6 casos por um milhão de doses, em comparação com as tradicionais, com 7,9 casos por um milhão de inoculações.

Segundo a análise, o risco é também maior em grupos populacionais com menos de 30 anos, com 40,9 casos por um milhão de vacinas, e nos homens, com 23 casos por um milhão.

PUB

"O risco de sofrer um desses eventos raros deve ser avaliado em relação ao risco de miocardite representado pela infeção" de covid-19, realçou Kollengode Ramanathan, médico do Hospital Universitário Nacional de Singapura, citado no estudo.

Os investigadores também analisaram outros nove estudos sobre efeitos de outras vacinas, publicados entre 1945 e 2001.

A taxa de casos de miocardite associada às demais vacinas analisadas foi de 56 casos por milhão de doses.

"O aparecimento de miocardite após outras vacinas que não covid-19 pode sugerir que é um efeito secundário do processo inflamatório que qualquer vacina induz e não se limita às proteínas da vacina contra a covid-19", referiu Jyoti Somani, também do Hospital Universitário de Singapura.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG