Covid-19

EUA admitem proibir entrada a viajantes provenientes da Europa

EUA admitem proibir entrada a viajantes provenientes da Europa

Os Estados Unidos admitem proibir a entrada no seu território a viajantes provenientes da Europa devido ao novo ​​​​​​​coronavírus, como já fazem em relação às pessoas vindas da China, declarou esta quarta-feira um alto responsável norte-americano.

"Estamos a colocar a questão de como abordar a Europa no seu conjunto", disse o responsável do Departamento de Segurança Interna, Ken Cuccinelli, durante uma audição parlamentar.

Na sua perspetiva, "a Europa representa um único e mesmo problema", designadamente devido à livre circulação de pessoas no seu interior.

O mesmo responsável sublinhou que diversas medidas, que têm sido reforçadas, "ainda não permitem bloquear os viajantes" provenientes da Europa.

"Mas estamos a encará-la", acrescentou sem mais detalhes.

"Como cada país, ou região num caso específico, se tornam cada vez mais problemáticos, nós reavaliamos evidentemente a situação diariamente", explicou o responsável da administração de Donald Trump.

O diretor dos Centros de Deteção e de Prevenção de Doenças (CDC, na sigla inglesa), Robert Redfiled, tinha previamente considerado que o principal risco de propagação da epidemia para os Estados Unidos provém da Europa.

"A verdadeira ameaça para nós é, desde agora, a Europa", afirmou.

"É daí que chegam os casos. Para o dizer de forma clara, a Europa é a nova China", acrescentou.

No início de fevereiro, Washington proibiu provisoriamente a entrada nos Estados Unidos a quem não possuísse nacionalidade norte-americana e se tivessem deslocado recentemente à China.

O Presidente Trump invocou durante muito tempo esta drástica decisão para assegurar que a propagação da epidemia estava sob controlo em território dos EUA.

O Departamento de Estado também recomendou os cidadãos norte-americanos para evitarem as viagens não indispensáveis a Itália, uma advertência aos viajantes e suscetível de ser extensível, pelo menos parcialmente, a toda a Europa.