Buscas

EUA ajudam Indonésia a procurar submarino com 53 ocupantes

EUA ajudam Indonésia a procurar submarino com 53 ocupantes

Os Estados Unidos juntam-se às buscas para encontrar o submarino KRI Nanggala-402, que desapareceu ao largo de Bali, na Indonésia, com 53 ocupantes a bordo. É uma contagem decrescente até deixar de haver oxigénio no interior. Um caso que traz à memória o submarino russo Kursk.

"Só temos até as 3 horas de amanhã [sábado, 20 horas desta sexta-feira em Portugal continental] por isso estamos a utilizar todos os esforços de que dispomos hoje", indicou o porta-voz militar Achmad Riad. "Esperemos que haja algo positivo".

A Indonésia indicou, na quinta-feira à noite, ter detetado sinais de um objeto a uma profundidade de entre 50 e cem metros e mobilizou para o local navios com equipamentos de sonar para perceber se será o submarino KRI Nanggala-402.

"Continuamos à espera, continuamos a rezar", disse à BBC Ratih Wardhani, irmão do major Wisnu Subiyantoro que é um dos 53 elementos a bordo do submarino. "Só conseguimos ajudar com as nossas orações e o nosso otimismo de que eles vão regressar."

Seis navios de guerra, um helicóptero e cerca de 400 pessoas estão a participar nas buscas às quais se junta, esta sexta-feira, o apoio dos Estados Unidos com o envio de assistência aerotransportada.

Estamos "profundamente tristes" com o sucedido, declarou John Kirby, porta-voz do Pentágono. "A pedido do governo da Indonésia estamos a enviar ativos aerotransportados para assistir na busca pelo submarino desaparecido", declarou, citado pela BBC.

PUB

Singapura e Malásia enviaram navios para a área e a Austrália, França e Alemanha também ofereceram assistência.

É uma contagem decrescente para encontrar o submarino, com o qual se perdeu o contacto a partir das 3 horas de quarta-feira (20 horas de terça-feira em Portugal continental), no final de exercícios ao largo de Bali.

Foi detetada uma fuga de óleo na zona onde o submarino terá submergido o que aponta para um eventual dano no tanque de combustível.

Este caso traz de imediato à memória o drama do submarino russo Kursk. A 12 de agosto de 2000, o submarino nuclear Kursk afundou-se no Mar de Barents após a explosão de um torpedo, com 118 homens a bordo. A 21 de agosto, houve a confirmação de que o interior estava inundado e todos os marinheiros mortos.

Em 2017, o submarino militar San Juan, da Argentina, desapareceu no Atlântico com 44 tripulantes. Só foi encontrado um ano depois.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG