Nuclear

EUA alertam países da NATO para se prepararem contra ataques de mísseis russos

EUA alertam países da NATO para se prepararem contra ataques de mísseis russos

O secretário interino de Defesa dos EUA, Mark Esper, defendeu que os países da NATO devem preparar-se contra ataques de mísseis russos, se Moscovo não regressar ao tratado de armas nucleares.

Em 2018, os EUA e a Rússia anunciaram que vão abandonar o tratado de mísseis nucleares de curto e médio alcance, que tinha sido assinado em 1987, após os norte-americanos terem acusado os russos de não cumprir com os seus compromissos.

"Precisamos de construir as nossas defesas aéreas contra qualquer tipo de míssil de cruzeiro russo, que se destine a um aliado", afirmou Mark Esper, em conferência de Imprensa, no final de uma reunião de ministros de Defesa da NATO, em Bruxelas.

"Enquanto Aliança, devemos preparar-nos para essa ameaça", disse o secretário interino de Defesa dos EUA, apelando aos países aliados para reforçarem as suas medidas defensivas.

Os ministros da Defesa da NATO concordaram em adotar medidas complementares, se a Rússia não demonstrar interesse em renegociar o tratado de armas nucleares até ao próximo dia 2 de agosto, data em que os EUA tornarão efetiva a sua retirada do acordo.

"Ao mesmo tempo que cumprimos o tratado, devemos começar a investigar o desenvolvimento de mísseis convencionais, não nucleares, que nos ajudem a lidar com qualquer ameaça", avisou Esper.

O chefe do Pentágono disse que os EUA "cumprirão o tratado até o último minuto" e voltou a culpar a Rússia pelo fracasso do acordo. "Os EUA cumpriram a sua parte do tratado, a Rússia não", insistiu Esper.

O governante norte-americano, recentemente escolhido pelo presidente Donald Trump para a pasta da Defesa, realçou que o fim do acordo nuclear de curto e médio alcance conduz a "uma realidade perigosa e totalmente evitável", mas ressaltou que é a Rússia a responsável por esta situação.

Os aliados têm deixado claro que não pretendem imitar a atitude da Rússia e responder com novos mísseis em solo europeu.

Recentemente, numa conferência de Imprensa, o secretário-geral da Aliança, Jens Stoltenberg, lembrou que o tratado de armas nucleares "nunca regulamentou sistemas baseados no ar ou lançamento do mar".

"Não vou comentar possíveis respostas específicas da NATO. Temos hoje um dissuasor nuclear que não contradiz o tratado, mas não vou dar mais pormenores sobre como poderíamos responder, simplesmente porque a nossa principal mensagem é que ainda temos a possibilidade de salvar o tratado", disse na altura Stoltenberg.

Outros Artigos Recomendados