Afeganistão

EUA alertam para ameaça "precisa e credível" no aeroporto de Cabul

EUA alertam para ameaça "precisa e credível" no aeroporto de Cabul

Os EUA voltaram a alertar, no sábado, para uma ameaça "precisa e credível" nos arredores do aeroporto de Cabul e pediram aos cidadãos norte-americanos para saírem da zona.

"Devido a uma ameaça precisa e credível, todos os cidadãos norte-americanos que se encontrem nos arredores do aeroporto de Cabul (...) devem sair da zona rapidamente", anunciou a Embaixada dos EUA em Cabul, numa mensagem de alerta, dois dias depois de um atentado que fez mais de 100 mortos no mesmo local.

A ameaça abrange especificamente "o acesso sul, o novo Ministério do Interior e o acesso perto do posto de combustível Panshir a noroeste do aeroporto", de acordo com o mesmo comunicado.

Alertas de bomba recorrentes perturbaram, nos últimos dias, as operações de retirada dos EUA no aeroporto, o que tem obrigado a uma cooperação mais estreita com os extremistas talibãs, no poder no Afeganistão, para tentar evitar um novo atentado terrorista.

Antes, o Presidente norte-americano, Joe Biden, tinha avisado que um outro ataque terrorista no aeroporto era "muito provável nas próximas 24 a 36 horas" e que a situação no local era "extremamente perigosa". Na sexta-feira, Washington tinha feito um aviso idêntico.

O atentado bombista perpetrado na quinta-feira, reivindicado pelo grupo extremista Estado Islâmico na Província de Khorasan (EI-K), causou mais de uma centena de mortos, incluindo 13 militares norte-americanos, e desencadeou represálias das forças armadas norte-americanas.

PUB

A operação de retirada continua no aeroporto de Cabul, onde milhares de pessoas esperam um voo, até terça-feira, data de conclusão prevista para a saída dos soldados norte-americanos do país, depois de 20 anos de guerra.

Os talibãs conquistaram Cabul em 15 de agosto, concluindo uma ofensiva iniciada em maio, quando começou a retirada das forças militares norte-americanas e da NATO. As forças internacionais estavam no país desde 2001, no âmbito da ofensiva liderada pelos EUA contra o regime extremista (1996-2001), que acolhia no território o líder da Al-Qaida, Osama bin Laden, principal responsável pelos atentados terroristas de 11 de setembro de 2001.

A tomada da capital pôs fim a uma presença militar estrangeira de 20 anos no Afeganistão, dos Estados Unidos e aliados na NATO, incluindo Portugal.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG