Proteção

EUA lançam fundo global para defesa de jornalistas alvo de acusações judiciais

EUA lançam fundo global para defesa de jornalistas alvo de acusações judiciais

Os Estados Unidos anunciaram esta quinta-feira o lançamento de um fundo global para defesa de jornalistas, destinado a profissionais da comunicação social alvo de ações judiciais movidas por governantes autocratas ou oligarcas.

O anúncio foi feito esta quinta-feira pela administradora da agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional (USAID), Samantha Power, em Washington, que defendeu o reforço das democracias, por ocasião do 60.º aniversário da agência.

"Acontece que autocratas e oligarcas empregam muitas vezes uma tática brutal, mas eficaz, para matar histórias (peças jornalísticas) que não lhes agradam - processam jornalistas até que os repórteres abandonem o assunto ou percam os trabalhos", afirmou a administradora da USAID, também ela antiga jornalista.

PUB

O fundo global vai oferecer apoio monetário a jornalistas "para sobreviver a alegações de difamação" ou para deter políticos nas tentativas de processar repórteres, disse Samantha Power.

A diplomata considerou que as ameaças à democracia estão em constante evolução e só podem ser prevenidas com inovação e renovação do apoio aos jornalistas.

"Democracias estabelecidas também precisam de ajudar a fixar regras globais para tecnologias de vigilância ou desinformação digital, ao passo que os autocratas se tornam mais hábeis nas suas tentativas de controlar e manipular populações", declarou.

Segundo um relatório da Organização das Nações Unidas para a Ciência, Cultura e Educação (UNESCO), divulgado esta semana, 62 jornalistas foram assassinados no ano passado.

Segundo o mesmo documento, publicado no do Dia Internacional para Acabar com a Impunidade dos Crimes contra Jornalistas, 2 de novembro, cerca de mil jornalistas foram assassinados no cumprimento do seu dever, entre 2006 e 2020, com nove em cada dez casos a ficarem impunes.

Nos últimos cinco anos, o maior número de assassinatos de jornalistas, 61 casos, foi registado no México, país considerado um dos mais perigosos do mundo para a profissão.

Além de defender uma imprensa livre em todo o mundo para exigir mais transparência dos governos e dos líderes políticos, Power, antiga representante permanente dos EUA junto da Organização das Nações Unidas (ONU), entre 2013 e 2017, pediu também mais meios para combater "o flagelo da corrupção global", que é um "fomento da autocracia".

Samantha Power adiantou que na Cimeira das Democracias, que se realizará em formato virtual a partir de Washington, a 9 e 10 de dezembro, a USAID vai lançar diversas iniciativas para o reforço democrático e combate à corrupção.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG