armas químicas

EUA pedem à Síria que declare extensão do seu arsenal químico

EUA pedem à Síria que declare extensão do seu arsenal químico

Os EUA pediram ao regime sírio que declare com a maior brevidade a dimensão e as especificidades do seu arsenal químico, no dia em que os chefes da diplomacia norte-americano e russo se reúnem em Genebra.

O secretário de Estado norte-americano, John Kerry, e o ministro dos Negócios Estrangeiros russo, Sergei Lavrov, reúnem-se, esta quinta-feira, para discutir a proposta russa de garantir a destruição do arsenal químico sírio.

"É exequível, mas difícil", disse aos jornalistas um oficial que acompanha Kerry.

Este alto responsável do Departamento de Estado norte-americano sublinhou que Washington espera do regime sírio que "declare o mais depressa possível a totalidade do seu arsenal" como demonstração do seu compromisso.

Kerry viaja para Genebra acompanhado de uma numerosa equipa de especialistas em desarmamento, armas químicas e não proliferação do Pentágono, das forças armadas e de outros ministérios norte-americanos.

O objetivo é "ver se de facto há uma via credível para avançar, se os russos são sérios naquilo que dizem e, mais importante, se Assad é sério naquilo que diz", disse o alto responsável do Departamento de Estado.

"Vamos falar com os russos sobre a extensão do problema, sobre as diferentes modalidades de destruição das armas, dos centros de produção, das diversas instalações", acrescentou o responsável.

Antes de partir, esta quinta-feira, para Genebra, o ministro dos Negócios Estrangeiros russo mostrou-se otimista sobre uma solução pacífica para o conflito na Síria: "Ainda resta uma oportunidade para a paz na Síria".

O ministro reiterou que Moscovo saúda a disponibilidade de Damasco para submeter o seu arsenal químico ao controlo internacional para evitar um ataque militar contra a Síria.

O ministro sírio dos Negócios Estrangeiros, Walid al Moallem, disse esta semana que o seu país estava pronto para aderir à Convenção que proíbe as armas químicas e que apoiava um plano russo para colocar as suas armas sob controlo internacional.

No entanto, permanece o ceticismo quanto à seriedade do regime de Bashar al-Assad sobre a eliminação das suas armas químicas, com a oposição a acusar o Governo de estar apenas a ganhar tempo.

O conflito na Síria já provocou mais de 110 mil mortos desde março de 2011, segundo as Nações Unidas.