Tensão

EUA preparados para "responder" a uma invasão russa da Ucrânia

EUA preparados para "responder" a uma invasão russa da Ucrânia

O Presidente norte-americano, Joe Biden, sublinhará na quinta-feira ao seu homólogo russo, Vladimir Putin, que os Estados Unidos estão preparados para a diplomacia, mas também para "responder" se a Rússia invadir a Ucrânia, indicou, esta quarta-feira, a Casa Branca.

"Estamos preparados para fornecer à Ucrânia mais ajuda para defender o seu território e responder a uma potencial ocupação russa nas próximas semanas", declarou um alto responsável da Administração norte-americana, numa conferência de imprensa telefónica.

A Casa Branca também revelou que a chamada telefónica que se realizará na quinta-feira entre Biden e Putin para falar sobre a situação na Ucrânia ocorrerá a pedido expresso de Moscovo.

"Esta chamada foi agendada depois de a parte russa a ter pedido", indicou o alto responsável norte-americano.

Alguns minutos antes, a porta-voz do Conselho de Segurança Nacional dos Estados Unidos, Emily Horne, tinha anunciado esse telefonema e recordado que Biden continua a manter conversas e consultas com os seus aliados para encontrar uma resposta comum para o aumento da presença militar russa na fronteira com a Ucrânia.

Na conferência de imprensa, a Casa Branca adiantou que Biden "deixará claro" a Putin que os Estados Unidos estarão sempre ao lado dos seus aliados na região -- numa clara referência à Ucrânia -- e que não aceitarão nada sobre países terceiros amigos sem que estes participem nas conversações.

A conversa telefónica de Biden e Putin decorre 23 dias depois da videoconferência que mantiveram, na qual o chefe de Estado norte-americano advertiu de que responderá a um eventual ataque da Rússia à Ucrânia com fortes medidas económicas, que poderão incluir "a suspensão" de um gasoduto russo, além do reforço da defesa no flanco oriental da NATO (Organização do Tratado do Atlântico-Norte).

PUB

Putin, por seu lado, insistiu então, e nos dias posteriores, que é a NATO, e não a Rússia, a responsável pela atual tensão militar em torno da Ucrânia.

Há seis dias, na sua conferência de imprensa anual, o Presidente russo exigiu garantias "imediatas" de segurança aos Estados Unidos e à NATO, advertindo-os para não "empatarem" durante décadas as negociações que arrancarão em princípios de 2022 em Genebra.

A conversa acontecerá duas semanas antes das negociações entre os dois países, agendadas para 10 de janeiro, em Genebra, sobre tratados de controlo de armas nucleares e sobre a situação na fronteira russo-ucraniana, onde o Ocidente acusa Moscovo de reunir tropas para um possível ataque.

Num sinal de que as conversações de 10 de janeiro serão duras, o ministro dos Negócios Estrangeiros russo, Sergey Lavrov, já descartou quaisquer "concessões".

Os Estados Unidos, por seu turno, já tinham avisado que alguns pedidos russos eram "inaceitáveis".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG