Líbia

EUA "reposicionam-se" no Mediterrâneo mas Hillary exclui acção militar na Líbia

EUA "reposicionam-se" no Mediterrâneo mas Hillary exclui acção militar na Líbia

O Pentágono decidiu "reposicionar" forças navais e aéreas na região do Mediterrâneo e norte de África para estar preparado face a qualquer opção na Líbia, mas Hillary Clinton rejeita uma acção militar directa dos EUA.

O coronel David Palan, porta-voz do Pentágono, disse à CNN que o Departamento da Defesa está a "reposicionar" algumas unidades das forças navais e aéreas numa zona próxima da Líbia, caso seja solicitada a sua intervenção.

Em Genebra, e em declarações à margem da sessão anual do Conselho dos direitos humanos da ONU, a secretária de Estado dos EUA, Hillary Clinton, garantiu não estar prevista qualquer acção militar que envolva navios norte-americanos.

"Como sabem, temos forças navais no Mediterrâneo. Julgamos que vai ser necessário ajudar em intervenções humanitárias (...) mas não haverá acção militar directa que envolva navios norte-americanos", garantiu.

A chefe da diplomacia de Washington manteve ainda diversas reuniões com os seus homólogos europeus e de diversos países árabes para preparar o "pós-Kadafi" na Líbia", antes de regressar ao início da noite aos Estados Unidos.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG